quarta-feira, 22 de dezembro de 2010

FELIZ NATAL E UM ÓTIMO ANO DE 2011

DESEJO A TODOS OS AMIGOS UM FELIZ NATAL, COM MUITA PAZ E HARMONIA...E UM ÓTIMO 2011, COM MUITAS ALEGRIAS, REALIZAÇÕES, PROSPERIDADE E SUCESSO!!!

domingo, 19 de dezembro de 2010

Filhas da Vitória

     Recebo dezenas de e-mails por mês, cerca de 40 a 60. Todos contando, compartilhando os seus dramas, as suas angústias. São as Filhas e os Filhos do Silêncio. Sim, também há homens. Contabilizando, tenho centenas de depoimentos, 99.9% pedindo sigilo absoluto, o que eu faço questão de respeitar. No meu blog "Depoimentos / Filhas do Silêncio", tenho apenas 5, contando com o meu, Gostaria de ter mais 10 ou mais 20. Mas entendo e o tempo fará a sua parte...
     São pessoas que me escrevem para desabafar. Muitos, antes de contar a sua história, fazem de tudo para certificar-se de que ela não será divulgada. Essa é a minha ética pessoal: respeitar. Pois sei muito bem o que é se expor e as consequências disso. Por isso, também tenho as minhas regras... A maioria, 99%, conta o seu drama e eu procuro ajudar. Trocamos alguns e-mails e, quase sempre, eles agradecem por desabafarem e por serem compeendidos. E depois vão "embora"... São pessoas sofridas, mas muito, muito corajosas. Pena que muitos não percebem isso. Recebo também e-mails dos familiares dos abusados, perguntando como deveriam agir. Pouco posso ajudar nesses casos, além de oferecer a minha solidariedade.
     O ano está terminando. Tenho mania de contar o tempo de duas maneiras: a partir do meu aniversário e a partir do primeiro dia do ano. Faço as minhas reflexões e penso naquilo que desejo para mim e para a minha vida. Está chegando um novo ano. E nesse ano quero, faço questão de lutar muito pela minha causa. Mais do que isso: ajudar mais. Quero conseguir mais depoimentos, para publicar um livro e, assim, mostrar essa dura realidade. Porque todos os dias há casos novos, mas as pessoas veêm, sentem pena e depois esquecem...A violência, em geral, chegou ao nível tão grande, que as pessoas simplesmente ficam indignadas no momento, mas depois apagam da mente. Vou lutar sim, nem que for sozinha. Aliás, já estou fazendo isso. Vou provar, principalmente à minha família, que fui a vítima e fui nigligenciada por eles. Já estou tomando as providências...Sei que vai demorar, que não vai ser fácil. Mas uma das lições que aprendi é que o pior não é a omissão de outras pessoas. Mas sim, a própria omissão!
     Escrevi esse texto especialmente para todas essas pessoas que compartilharam comigo uma parte (bem dolorosa) de sua vida. Agradeço imensamente pela confiança e, quero dizer que, sempre estarei (sei que é virtualmente) pronta para ouvir e ajudar. Desejo a todos vocês muita força, paz, harmonia e luz. Desejo que esse novo ano vos traga muitas esperanças e realizações. Mas o principal que eu quero dizer é que vocês não são apenas Filhas / Filhos do Silêncio: vocês são FILHAS / FILHOS DA VITÓRIA!!! Beijos no coração de cada um.        

sexta-feira, 17 de dezembro de 2010

Pará: O paraíso da exploração sexual e impunidade!!! Até quando vai durar esse absurdo, essa vergonha???

domingo, 12 de dezembro de 2010

Morre lentamente... / Pablo Neruda

Morre lentamente...
...quem não viaja, quem não lê, quem não ouve música, quem destrói o seu amor próprio, quem não se deixa ajudar.
Quem se transforma escravo do hábito, repetindo todos os dias o mesmo trajeto, quem não muda as marcas no supermercado, não arrisca vestir uma cor nova, não conversa com que não conhece.

Quem evita uma paixão, quem prefere o "preto no branco" e os "pingos nos is" a um turbilhão de emoções indomáveis, justamente as que resgatam brilho nos olhos, sorrisos e soluços, coração aos tropeços, sentimentos.
Quem não vira a mesa quando está infeliz no trabalho;
quem não arrisca o certo pelo incerto atrás de um sonho; quem não se permite, uma vez na vida, fugir dos conselhos sensatos.
Quem passa os dias queixando-se da má sorte ou da chuva incessante, desistindo de um projeto antes de iniciá-lo, não perguntando sobre um assunto que desconhece e não respondendo quando lhe indagam o que sabe.
Evitemos a morte em doses suaves,
recordando sempre que estar vivo exige um esforço muito maior do que o simples ato de respirar... Estejamos vivo, então!
 

sexta-feira, 10 de dezembro de 2010

Um ano do Blog

Dia 08, agora, meu blog completou um ano. Comecei com muitos erros e, aos poucos, fui os corrigindo. Consegui ajudar e dar esperança para alguns; cresci como pessoa e mulher; conheci milhares de amigos virtuais, vários se tornaram amigos de coração.
Mas não foi somente o blog que mudou a minha maneira de ser. O orkut, as comunidades, o facebook e a página do mesmo também.
Nesse ano tantas coisas aconteceram: além dos amigos virtuais, fiz amigos reais. Perdi um deles...Perdi também o meu grande companheiro canino, mas ganhei outro, que aprendi a amar com todo o meu carinho. Mudei de cidade, de Estado. Precisei dizer adeus às pessoas queridas. Mas conheci outras...Recomecei a minha vida...
Mas a mudança principal foi a interior. Aprendi a não julgar, a perdoar, a compreender e a esperar. Aprendi a dizer NÃO (antes eu cedia em tudo) e com isso, ganhei respeito. Aprendi que um pouco de orgulho...um pouco...não faz mal, pelo contrário, faz a estima subir. Aprendi a compartilhar, principalmente os meus sentimentos. Hoje me sinto mais forte e determinada. Ainda tomo remédios para depressão, fobia social e ansiedade. Ainda fico deprimida e triste. Minha autoestima continua lá embaixo, mas procuro não ligar muito, ser eu mesma e não se trancar dentro de casa. Aprendi a cobrar menos dos outros e menos de mim mesma. Aprendi que é melhor plantar a semente, mesmo que ela não brote, do que desperdiçá-la.
Agradeço não só aos amigos, mas também aos inimigos, pois por eles que iniciei essa jornada. Para definir a minha inocência; para afirmar que fui uma vítima; para provar que não "matei" o meu pai...
E espero, daqui em diante, crescer cada vez mais como ser humano e espiritual. Ajudar, lutar contra toda e qualquer violência, denunciar, e assumir a minha própria identidade, deixando a Bya continuar...porém dando toda ênfase à minha pessoa real. Como já disse, não posso e nem devo desvincular a Bya (pseudônimo) de mim. Somos a mesma pessoa, mas é a Bya que é a referência para muitos.
Nesse final de ano vou festejar, pois em anos, tenho motivos para isso. Posso olhar para trás e ver que censegui construir algo. Já não me sinto velha aos 43 anos. Ao contrário, sinto muita vontade de realizar várias coisas, vários sonhos, que me foram negados pelas pessoas que deveriam me proteger.
Mas, principalmente, devo esse ano de crescimento à minha família (meu marido e meus filhos).
Obrigada a todos por tudo, com todo o meu carinho!!!

domingo, 5 de dezembro de 2010

Os filhos dos abusados

O que acontece com os filhos de abusados? Somente duas coisas: ou conhecem a verdade ou permanecem na ignorância. No meu caso, optei pela verdade. Principalmente pela puberdade precoce da minha filha e da rápida mudança do seu corpo. Não poderíamos mais permitir ela ver o avô, mas precisávamos dar uma explicação, já que eles tinham adoração por ele. Sim, meu pai que me violentou e sempre me aterrorizou, era um ótimo avô.
Consultamos psicólogos e eles foram unânimes em relação a verdade. Explicamos para as crianças o porquê não iriam mais ver os avós. A reação foi imediata...Meu filho repudiou o avô, ao ponto de não aceitar mais presentes dele e dizer que o avô para ele estava morto. Minha filha amadureceu depressa demais...Foi o preço que tivemos de pagar.
Quando meu pai faleceu, nenhum dos dois chorou ou teve qualquer reação. Nunca mais falaram nele. O bom de toda essa história é que eles entenderam o porquê da minha depressão e das minhas doenças. E me ajudaram...a cada dia...aos poucos a me reerguer.
Acho que precisamos ser sinceros com os nossos filhos, pois a sinceridade é confiança e a confiança é amor. Meus filhos atravessaram momentos difíceis e traumatizantes, mas superaram. Em nenhum momento o fato de saberem a verdade os prejudicou na escola. Continuaram e continuam entre os primeiros. São bem informados, politizados, porém muito amadurecidos para a idade. Mas sabemos que a verdade lhes fez bem e eles sabem que sempre podem confiar na gente, assim como nós confiamos neles.
Não sei como outros casais convivem com isso (casais, cujo alguém foi abusado). Porém a verdade promoveu a união da nossa família, semeando paz, respeito e amor.

quarta-feira, 1 de dezembro de 2010

Ser Mãe

O que é ser mãe? De verdade? Quantas já se fizeram essa pergunta e não conseguiram obter a resposta satisfatória? Ser mãe é parir...ou ser mãe é amar? Amar incondicionalmente. É tão fácil parir e depois abandonar. É tão difícil abrir mão de tantas coisas, das saídas, viagens e, até da carreira. Mas a verdadeira mãe não é aquela que é somente biológica. A verdadeira mãe é aquela que ama, que cuida. Que faz sacrifícios por um ser, que se doa, que compreende, ou pelo menos, tenta.
Estou aqui para contar como é a minha mãe. Pois todos exaltam a figura materna e deixam de enxergar fatos absurdos. A minha mãe me rejeitou e abandonou aos 12 anos. Ela sabia sobre os abusos do meu pai (apesar de negar esse fato), mas sempre ficou ao lado dele. Sempre me agrediu verbalmente, me humilhou e se omitiu. Nunca soube o que era confiar numa mãe...contar segredos e descobertas de adolescente; receber carinho... Mesmo hoje, aos 43 anos, ela ainda me agride verbalmente, ao ponto de eu ficar doente. E por que ainda convivo com ela? Não sei. Talvez esse "cordão umbilical" que nunca se rompe entre uma mãe e uma filha. Talvez por ela ter 70 anos.
Quando cheguei de Porto Velho, tive uma longa e franca conversa com ela. Mas assim mesmo, ela negou os abusos do meu pai, disse que consultou uma psiquiatra que lhe disse que eu era psicótica. Que profissional é essa que dá um diagnóstico sem ter nunca conversado comigo ou ter me visto...?
Por causa da rejeição, da agressão verbal e da omissão praticados pela minha mãe, sofro de ansiedade, depressão e fobia social. Tenho fortes suspeitas de médicos de ter Síndrome de Cushing e a ansiedade causa taquicardia e tremor nas mãos. Tenho problemas alimentares (passo muito tempo sem comer) e insônia. Tomo seis tipos de remédios diferentes, que muitas vezes me deixam prostrada e de cama.
E sabem o que a minha mãe diz de tudo isso? Que as minhas doenças são inventadas, que as finjo (apesar de diagnósticos médicos) e que sofro de problemas mentais...sem comentários...
Por muito tempo evitei de ser mãe, com medo de repetir nos meus filhos as agressões sofridas. Graças a Deus, foi tudo bem diferente. Sou uma mãe liberal e participativa. Os meus filhos só recebem elogios e são ótimos alunos, sem eu precisar cobrar sequer lição de casa. São responsáveis, maduros e, ao mesmo tempo, "moleques". Sempre dei mais valor à vida cultural, do que ficar fazendo comida, ou seja, cotidiano. São crianças saudáveis e com inteligência acima da média (fato já comprovado). Eu sei que sou responsável por uma parte disso e me sinto realizada e feliz!
Essa semana, meu médico, a psicóloga e a psiquiatra chegaram a mesma conclusão: devo manter distância da minha mãe, o que já deveria ter feito há tempos. Sem visitas, sem telefonemas. Só assim poderei concluir a minha melhora, pela qual estou lutando há pelo menos 15 anos.
Escrevi esse texto e o estou compartilhando, para desabafar. Pois apesar de toda violência que sofri, não sou violenta, perdôo fácil e tenho dificuldades a dizer não. Estou aprendendo a dizer não agora. Estou me tornando mais forte, aprendendo a me amar e a me respeitar. Crescendo como pessoa, como indivíduo.
Mas o que quis dizer, principalmente, com esse texto, é que apesar dos abusos do meu pai, ele conseguia demonstrar mais amor e compreensão que a minha mãe...

terça-feira, 30 de novembro de 2010

Seja um Porto / Amarilis Adélio

Porto de chegada de almas cansadas,
seja porto para aqueles que andam perdidos pelo mundo,
e que precisam de um lugar tranqüilo para descansar o fardo que carregam.

Para ser porto de chegada, abrace, afague, receba, dê boas vindas.

Seja porto de saída, saída para quem precisar partir,
despedindo-se das ilusões, das dores, dos fracassos e decepções. 

Partindo para uma vida melhor, para isso, ajude, apoie, converse,
estenda as mãos, ouça, oriente. 

Seja também porto seguro,
para quem ama e precisa de você;
porto seguro para os amigos, para a família, para quem precisar.


Para ser porto seguro, esqueça o ego e pense no próximo,
esqueça as suas dores e amenize as dores do príximo.

Se você não tem outro motivo para ser feliz...
seja feliz por ser Porto!

Para receber aqueles que procuram por você! 

Existem pessoas que passam em nossas vidas como chuvas de verão...
outras deixam suas marcas que não esquecemos jamais;
por mais que lancemos velas para além mar,
teremos sempre um 'porto seguro' para descansar,
das longas jornadas...

Nestes últimos meses, vocês meus Amigos, têm sido meu
Porto Seguro... e Eu para vocês, podem ter certeza!!!
OBRIGADA, MEUS QUERIDOS AMIGOS!

quinta-feira, 25 de novembro de 2010

Lei Maria da Penha / Ana Maria Bruni

Vítima não precisa de REPRESENTAÇÃO ! Boas Novas!



Lei Maria da Penha: vítima não precisa de representação formal para abrir processo


A 5ª Turma do STJ (Superior Tribunal de Justiça) decidiu, ao julgar um recurso contra decisão do TJ-DF (Tribunal de Justiça do Distrito Federal), que a mulher que sofre violência doméstica e comparece à delegacia para denunciar o agressor já está manifestando o desejo de que ele seja punido. Assim, não há necessidade de uma representação formal para a abertura de processo com base na Lei Maria da Penha (Lei 11.340/06).


A 3ª Seção do STJ (que reúne os membros da 5ª e da 6ª Turmas) havia decidido, ao julgar um recurso repetitivo em fevereiro de 2010, que a representação da vítima é condição indispensável para a instauração da ação penal. A decisão de agora é a primeira desde então que estabelece que essa representação dispensa formalidades porque já está clara a vontade da vítima em relação à apuração do crime e à punição do agressor.


O TJ-DF havia negado a concessão de habeas corpus para um homem acusado com base na Lei Maria da Penha. O acusado apontava irregularidades no processo, alegando que em momento algum a vítima fizera representação formal contra ele.


De acordo com a decisão de segunda instância, em nenhum momento a lei fala de impor realização de audiência para a ofendida confirmar a representação. Para o TJ, somente havendo pedido expresso da ofendida ou evidência da sua intenção de se retratar, e desde que antes do recebimento da denúncia, é que o juiz designará audiência para, ouvido o MP (Ministério Público), admitir a retratação da representação.

O relator do recurso na 5ª Turma, ministro Napoleão Nunes Maia Filho, expressou ressalvas quanto à tese vitoriosa na 3ª Seção, pois, para ele, a lesão corporal no âmbito familiar é crime de ação pública incondicionada e não depende de representação da vítima para ser tocada pelo MP. Ele sustentou seu voto em decisões anteriores do STJ, no mesmo sentido de que não há uma forma rígida preestabelecida para a representação.


Do JusBrasil


Leia +


http://jeftenews.blogspot.com/2010/10/lei-maria-da-penha-nao-depende-de.html






http://noticias.bol.uol.com.br/brasil/2010/10/14/queixa-formal-nao-e-necessaria-para-acao-com-base-na-lei-maria-da-penha-diz-stj.jhtm






http://www.redebrasilatual.com.br/temas/cidadania/queixa-da-mulher-e-o-suficiente-para-acao-com-base-na-lei-maria-da-penha-diz-stj/view










“Ainda que se considere necessária a representação, entendo que esta prescinde de maiores formalidades, bastando que a ofendida demonstre o interesse na apuração do fato delituoso”, afirmou o relator do recurso ministro Napoleão Maia Filho. Segundo o ministro, esse interesse “é evidenciado pelo registro da ocorrência na delegacia de polícia e a realização de exame de lesão corporal”. O relator destaca que a decisão desburocratiza o processo e dimuinui a chance de coação da vítima.


...


CUMPRA-SE

segunda-feira, 22 de novembro de 2010

Dica do Livro

"Infiel" - ayaan hirsi ali
A história de uma mulher que desafiou o islã.

Autobiografia de uma mulher extaordinária, que foi criada nos costumes tribais da Somália, sofreu mutilação sexual e espancamentos brutais na infância. Foi muçilmana devota, fugiu de um casamento forçado, tornou-se deputada na Holanda, clamou pelos direitos das muçulmanas,criticou Maomé e está condenada à morte pelo fundamentalismo islâmico.

"Infiel" mostra que uma mulher decidida pode mudar muito mais do que sua própria história!!!

sexta-feira, 19 de novembro de 2010

Um tempo para si mesma

Hoje em dia, o mundo está às avessas. Todos os dias temos notícias cruéis e tristes. São crianças estupradas e espancadas. E o estuprador confesso não foi preso por causa da lei eleitoral. Tanto absurdo...tanta coisa a escrever, a comentar. Mas hoje resolvi diferenciar. Voltar-se um pouco para o meu interior e tentar descobrir algo bonito...Passei por uma psiquiatra e uma psicóloga, já que a depressão tomou totalmente conta de mim. Recebi a notícia que a violência que sofri (e foram várias), não irão me deixar em paz, mesmo perdoando, mesmo aceitando...Mas descobri coisas maravilhosas. Que a fobia social que me estanca, atrapalha tanto, não me deixa viver normalmente, não é somente uma condição psicológica e, sim, uma doença! É há remédio, que inclusive já estou tomando e sentindo uma pequena diferença para melhor! Não tenho vergonha de comentar isso...afinal sou a vítima e não a causadora do problema. A psicológa me explicou que cobro muito de mim mesma. Que em vez de cobrar, deveria respeitar os meus limites...E é isso que estou tentando fazer. Cuidar mais de mim mesma. Sair um pouco do mundo virtual e adentrar no mundo real. Até comecei a frequentar uma academia! Tenho saído mais, comecei a frequentar bares/restaurantes. Antes, só fazia pedidos para casa. Não é nada fácil começar essa mudança. A insegurança é imensa! Mas estou tentando. Principalmente pela minha família. E quem sabe, a Bya deixará de ter a imagem de um anjo e ficará com a minha imagem real. Esse é o objetivo...Sinto ter deixado abandonado o blog e o orkut. Mas a mudança me tornará mais forte e, assim, poderei ajudar mais e melhor. Agradeço o carinho de todos os amigos, principalmente àqueles que disseram: dê um tempo, você é capaz e vai conseguir. Se cuide primeiro. Obrigada, também, àqueles que não me esqueceram, mesmo eu estando tão distante...Aos poucos, a minha força está retornando. E farei de tudo para compensar o tempo perdido. Que bom que tantas pessoas acreditaram na minha recuperação e vitória! Foi graças a isso que consegui renascer. E espero, cada vez mais, poder ajudar... Beijos no coração, com todo o meu carinho.

quinta-feira, 18 de novembro de 2010

Endereços eletrônicos e contatos úteis para informações e denúncia

  1.  Projeto Câmara - projetocamara@ig.com.br
  2. Abrinq / Ana Maria Wilhein - amwilhein@fundabrinq.org.br
  3. Andi - Agência de Notícias do Direito da Infância - eboudens2002@yahoo.com.br
  4. casadoadolescente@mdbrasil.com.br
  5. Competências Familiares - equipe@competenciasfamiliares.org
  6. Fundação Orsa - gsouza@fundacaoorsa.org.br
  7. UNICEF / Oficial de Projetos / Helena Oliveira Silva - hosilva@unicef.org
  8. Pesquisa em Violência / Maria Cecília Minayo - maminayo@uol.com.br
  9. Programa Resgate Cidadão / Mariangela Aoki - mariaoki@prefeitura.sp.gov.br
  10. Secretaria Estadual de Assistência e Desenvolvimento Social - mhcastro@sp.gov.br
  11. Ministério Público Democrático - mpd@mpd.org.br
  12. Ministério da Justiça / Guia Escolar Abuso Sexual / Rita Ippolito - rita.ippolito@mj.gov.br
  13. Pesquisa Violência - simone@claves.fiocruz.br
  14. Instituto Paulista de Sexualidade / Théo Lerner - theolerner@vertex.com.br
  15. Unicef - Fundo das Nações Unidas para a Infância - brasilia@unicef.org.br
  16. SIA / Sobreviventes de Incesto Anônimos - pavas@usp.br
  17. www.visaomundial.org.br
  18. www.vozlivre.com
  19. Campanha Nacional de Combate à Pedofilia - www.censura.com.br
  20. Unicef - www.unicef.org




quarta-feira, 10 de novembro de 2010

Dica do Livro

ABUSO SEXUAL EM CRIANÇAS

Christiane Sanderson

Este livro, altamente informativo e com uma linguagem bastante acessível, oferece estratégias práticas para a proteção das crianças que todos os pais, professores e qualquer pessoa envolvida na vida de uma criança considerarão indispensáveis. Trazendo ao leitor um entendimento do desenvolvimento sexual normativo / típico das crianças, a autora capacita pais e professores a distinguir esse desenvolvimento normal do desenvolvimento sexual atípico e a reconhecer os sinais de advertência de pedofilia e de abuso sexual em crianças.
Quanto mais inteirados sobre o assunto e à vontade estiverem os professores e os pais, mais fácil será para eles entenderem e conversarem abertamente com as crianças sobre desenvolvimento sexual. Este livro oferece orientações sobre como falar sobre toques, comportamentos apropriados e não apropriados e sobre os perigos da pedofilia e de abuso sexual, considerando a idade das crianças. A autora apresenta informações sobre pedófilos, abusadores e meios de proteção contra suas tentativas de ganhar acesso a uma criança por aliciamento, aliciamento de seus pais e também outros adultos. Inclui, ainda, informações atuais sobre o uso da Internet e de telefones celulartes pelos agressores.

Você já se preocupou alguma vez com a felicidade?

Já envidou esforços para conquistá-la?

Quem de nós não deseja ser feliz? Salvo os casos patológicos, as pessoas estão sempre em busca da felicidade, ainda que não se dêem conta disso.

Mas, afinal, o que é a felicidade?

A felicidade varia de pessoa para pessoa, e em cada momento da nossa vida, ela pode assumir aspectos diferentes.

Quando estamos enfermos, a recuperação da saúde seria a nossa felicidade. E envidamos todos os esforços para conquistá-la.

Se estamos desempregados, um emprego se constituiria em felicidade, por algum tempo.

Se somos solteiros e desejamos unir-nos a alguém, nossa felicidade seria encontrar a pessoa certa, para compartilhar do nosso afeto.

No entanto, os que padecem fome e frio, encontrariam a felicidade num agasalho e na alimentação que refaz.

Já para o torcedor, a explosão de felicidade se dá quando a bola atinge o fundo da rede do time adversário.

Enfim, a felicidade tem tantas faces quanto os anseios de cada criatura, variando de acordo com as circunstâncias.

Certa vez, lemos uma história que nos levou a refletir em que consiste a verdadeira felicidade.

Foi narrada por uma moça que se sentia momentaneamente infeliz e, andando pela rua viu um homem puxando uma carroça.

Ao observar a cena, pensou: Pobre homem! Fazendo o trabalho de um animal irracional..

Isso é que deve ser infelicidade!

Pensando em ouvir de seus lábios lamentações e queixas, aproximou-se e lhe perguntou:

O senhor é muito infeliz, não é? Afinal, fazendo um trabalho desses...

Confessa ela que o homem fê-la mudar a paisagem íntima, ao responder entusiasmado:

Não, senhora! Sou uma pessoa muito feliz. Tenho saúde que nem mesmo preciso de um animal para puxar minha carroça.

Tenho força, consigo o meu sustento passeando pela cidade e ainda ganho saudações de pessoas bonitas como a senhora.

Não sou mais feliz, só porque não vejo todas as pessoas do mundo sorrindo...

* * *

Como podemos perceber, a felicidade consiste em cada um contentar-se com o que tem e fazer da sua felicidade a alegria dos outros.

Quando Jesus afirmou que a felicidade não é deste mundo, referiu-se à felicidade sem mescla, à felicidade plena.

Todavia, podemos viver com alegria, valorizando as coisas que temos e as conquistas morais que já logramos, sem infelicitar-nos com o que não possuímos e não está ao nosso alcance.

* * *

Muitos de nós buscamos a felicidade distante de onde ela se encontra.

A cada momento Deus nos oferece mil motivos para nos alegrar.

A oportunidade de viver, de ter uma família, amigos, trabalho...

A natureza, o sol, a chuva, a noite para o repouso, as chances de aprendizado em cada minuto que passa por nós.

Até mesmo os obstáculos do caminho são motivos de alegria, por nos ensinarem a superá-los, preparando-nos para a conquista da felicidade perene, que a todos nos aguarda.

sábado, 30 de outubro de 2010

Pensamento...

"Muitas vezes olhamos para o ontem, revivendo momentos difíceis e dolorosos. Quase sempre pensamos no amanhã, antecipando as preocupações. E esquecemos de viver o hoje, que é o ontem do amanhã...vivenciar cada momento...curtir, sofrer, porém sentir plenamente o dia!" (Bya Albuquerque)

domingo, 10 de outubro de 2010

Dica Cultural

Meu livro sairá em Novembro! A Editora Luzeiro, especializada em Literatura de Cordel, resolveu publicar um livro contento um apanhado de poesias minhas! A previsão do lançamento é para Novembro! Desde já meu agradecimento a Editora Luzeiro e você pelo apoio que tem me dado. Aproveito para sugerir uma visita ao site da Editora Luzeiro e conhecer um pouco do perfil desta editora que a décadas tem sido parceira dos Poetas Populares do Brasil: http://editoraluzeiro.com.br/...

Informo ainda que domingo próximo, dia 10, a partir das 10 hs Chico Lobo e Seu Ribeiro se apresentam no Parque Lagoa do Nado em Belo Horizonte. A entrada é franca e outras informações podem ser adquiridas pelo telefone 31 33776746!...

Se você ainda não escutou a música "O BAILE DAS LÁGRIMAS" que integra o CD VIELAS LÍRICAS de Seu Ribeiro, que será lançado ainda este ano, visite o link a seguir para ouvir aqui mesmo no FaceBook e deixar seu comentário: http://www.facebook.com/pages/Seu-Ribeiro/317283888873?ref=ts...

Muito obrigado pelo carinho e cumplicidade!

Seu Ribeiro .
 
 
Seu Ribeiro é um dos maiores poetas dos nossos tempos. Sou suspeita de comentar, pois sou fã incondicional...Seus temas tratam desde amor até os temas atuais. De todo o coração, eu recomendo...tenho certeza que hão de gostar!!!

quinta-feira, 7 de outubro de 2010

MAX, o Eterno Amigo...

Hoje perdi o Max pela segunda vez. A primeira, foi quando precisei deixá-lo no sítio de amigos, em Porto Velho, RO, junto com o seu filhote, Thor. Naquele dia eu sabia que era o adeus...Hoje fiquei sabendo da sua morte, morte de tristeza. Durante quase seis anos ele não saiu do meu lado. Foi um amigo, fiel, leal. Quando estive doente, ao ponto de ficar oito meses de cama, ele ficou ao meu lado. Não comia e nem bebia...era para não precisar pedir para sair para as necessidades. Ficava deitado ao meu lado, me lambendo / beijando em vez de quando...Meu primeiro cachorro, meu grande companheiro.
Ao decidirmos voltar para São Paulo, é lógico que resolvemos levar o Max, o Thor e a Will (nossa gata siamesa, que ficou "hospedada" com os donos do pet shop). Para tal, precisavamos de uma casa, com quintal. Por isso, as crianças e o Luis foram na frente, para preparar tudo. Infelizmente foi difícil achar uma casa em São Paulo. Fiquei dois meses sozinha com os pets em Porto Velho, numa casa enorme. Só consegui "sobreviver" graças ao amor dos meus bichos. Em uma semana emagreci oito quilos. Devido a forte fobia social e depressão, não conseguia sair de casa, nem para atravessar a rua e comer no restaurante da frente, nem para visitar os conhecidos, nem ir ao mercado a um quarteirão...no entanto nunca faltou ração aos pets, eu podia não sair por mim, mas saía por eles. Durante dois meses aguentei a saudade da família, mas sabia que era a coisa certa, pois eles eram parte dessa família.
Com graves problemas de quiemadas na região norte e aumento da minha depressão, resolvi voltar e ajudar a achar a casa. Minha grande preocupação foi o Max, por isso decidi que ele não poderia ficar separado do seu filhote. Arranjar um lugar para os dois foi difícil, mas consegui que um casal de amigos os levassem ao seu sítio, com muito espaço. Esse casal tem outros cachorros, eles adoram animais e sempre trataram muito bem dos meus. Mas como explicar a um bicho que não era para sempre a separação? Que eu queria somente o melhor?
Vim embora, e resolvi vir para Ribeirão Preto, terra do meu pai e cidade que amo muito. As crianças vieram junto e consegui uma casa, para qual estaremos nós mudando na segunda feira (fiquei um tempo morando com minha mãe). O Luis continuará morando e trabalhando em São Paulo e virá todo final de semana...A nossa primeira preocupação, principalmente das crianças, era que a casa tivesse um bom quintal para os pets. Já imaginava o reencontro...e hoje, quando o Luis ligou para os amigos para tratar da vinda dos cachorros, recebeu a notícia da morte do Max. Morreu de tristeza, de solidão. Não quis saber mais do Thor e nem dos outros cachorros. Deixou de comer. Nós deixou...
Que saudade, que tristeza. Não sei se poderia ter feito mais, mas sei que fizemos tudo para garantir o bem estar deles. O que me deixa mais desolada é ter a consciência que nunca mais vou sentir a sua lambida, ver a sua cara de "pidão", conversar com ele, sentir o seu corpo junto ao meu, me "protegendo" dos meus medos e anseios...
Fique com Deus, Max. Que o Plano Espiritual esteja com vc, te protegendo...Amamos e amaremos você para todo o sempre, nosso querido Max!

segunda-feira, 4 de outubro de 2010

Nossa Escolha



Ontem, dia 03 de outubro, fomos às urnas, escolher os nossos representantes. Vejam bem: não somente os governantes, mas sim, aqueles que irão representar as nossas ideologias. É lógico que cada um é cada um...cada pessoa tem o seu ideal. E é nessa hora, nessa diferença, o que prevalece é o bom senso, a democracia, a vontade de ver o país crescer e prosperar...

Infelizmente muitos "brincam" com o voto e, com o poder de eleger. Não imaginam que a irresponsabilidade será responsável pelo fiasco. Até o voto de protesto tem que ser consciente. Somos nós é que vamos pagar as contas dessa eleição e dos futuros governantes. Somos nós que detemos o poder...mas não temos consciência disso. É preciso educar o povo para a eleição, ensinar que o coletivo prevalece sobre o individual, para não corrermos o risco de uma ditadura ou pior, sustentar egos irresponsáveis que não conseguiam se projetar na vida pública por seu talento...e por causa da irresponsabilidade e leviandade de muitos, irão ganhar (e bem) e se projetar através da política.

Dizem que cada povo tem o governo que merece. Triste verdade...! E é uma pena. Pois, em vez de melhorarmos a situação geral do país, apenas esculhambamos com a mesma. Agora, é simplesmente esperar, aguentar...e tentar aprender. Se é que somos capazes de aprender, já que sempre repetimos os mesmos erros...








sábado, 2 de outubro de 2010

Apesar de Você

sábado, 2 de outubro de 2010



Apesar de vocês


Versos de Chico Buarque vêm à mente na véspera da eleição; o contexto é outro, mas a evocação faz sentido


A competição presidencial não se trava sobre concepções diversas a respeito do rumo da sociedade, mas em torno de trivialidades e, no máximo, questiúnculas gerenciais.


FAZ QUASE exatamente 40 anos que Chico Buarque compôs "Apesar de Você", uma de suas músicas mais marcantes. Avisava os detentores do poder de então que a vida passa e que a escuridão do regime militar um dia se dissiparia.


Os versos vêm à mente nesta véspera de eleição. O contexto é outro, mas a evocação, creio, faz sentido. Não, contudo, na direção esperançosa que inspirava o compositor. E, apresso-me a esclarecer, tampouco desejo fazer alusão ao candidato X ou Y.


"Amanhã há de ser outro dia", prosseguia o refrão de Chico Buarque. O problema está aí. Que amanhã?


A principal disputa eleitoral que se resolverá (é o que a tendência do eleitorado indica) no pleito deste domingo opõe candidatos que, ao longo da campanha, se eximiram de adotar alguma coloração.


Conforme se apontou neste mesmo e em outros espaços, a competição presidencial não se trava sobre concepções diversas a respeito do rumo da sociedade, mas em torno de trivialidades e, no máximo, questiúnculas gerenciais.


A mensagem coletiva que passam ao eleitorado é que vai tudo muito bem -quando basta um olhar ligeiro sobre a sociedade, a economia e as instituições para perceber que as coisas não vão bem de jeito nenhum.


Isso tem pouco ou nada a ver com os oito anos de Lula no poder. Tem a ver com moléstias estruturais que permanecem instaladas com a complacência conjunta de petistas, tucanos, demistas e o que mais venha à mente.


Veja-se, para começar, a qualidade da representação política.


Costuma-se falar em "partidos de aluguel", pequenas agremiações que estão permanentemente à venda. O epíteto oculta coisa muito mais grave, a saber, aquilo que se poderia denominar de partidos de arrendamento, entre os quais o PMDB é o exemplo mais saliente, embora não único.


Alia-se a qualquer um, e qualquer um se alia a ele, como demonstram as coligações estaduais. O preço, idêntico ao dos partidos de aluguel, são cargos na administração.


Não apenas a representação política deixa de fazer sentido, como o Poder Legislativo deixa na prática de existir. De quebra, não há administração pública que resista ao assalto contumaz praticado pelos agentes políticos.


Olhe-se para o lado do Judiciário, e o que é que se enxerga? Um poder paralisado, perdido em seus próprios meandros e que falha miseravelmente na entrega da justiça.


Como é que esse tipo de tema não aparece numa campanha eleitoral, ainda que lateralmente (é complicado e não sensibiliza marqueteiros, mas mesmo assim)?


Por outro lado, deve-se talvez considerar que a evolução da sociedade moderna induz nas pessoas um acanhamento das perspectivas. Os horizontes vão se estreitando aos limites da existência pessoal ou familiar. A visão de sociedade, de futuro, de aspiração coletiva, desaparece.


Para além desse âmbito, o que parece existir são forças inexoráveis que operam numa esfera situada além da capacidade de compreensão das pessoas. Resta-lhes obedecer, porque, se não obedecerem, serão esmagadas.


Até outro dia.






Texto de CLAUDIO WEBER ABRAMO, diretor-executivo da Transparência Brasil na Folha de São Paulo de 02/10/10


Postado por José

Auto Estima

Maria De Fatima Jacinto via Aumentando a Auto Estima: ‎"Tenha uma estimativa saudável de suas habilidades. Confie nelas e as use, desenvolvendo-as, e ouvirá em um curto espaço de tempo: Ele é muito bom nisso. É um gênio."



Cada vez é mais claro que nossa maior dificuldade na vida é lidar conosco mesmos. Parece, quando não aprofundamos a análise, que o mais difícil é nos relacionarmos com o...s outros; que as relações pessoais é que são o mais complexo do existir. Mas não pensamos mais assim, quando desenvolvemos olhos de ver.


Ver o quê?


Ver que não nos conhecemos o suficiente para distinguir o que sentimos e quais reações temos diante dos acontecimentos, e porque são essas e como nos tornamos assim.


Obviamente, estamos falando do autoconhecimento. No entanto, não é preciso esperar desenvolvê-lo para aprender a sentir o que sentimos. Aos poucos vamos nos conhecendo, quando queremos empreender essa busca. E a todo instante podemos descobrir o que sentimos, pondo atenção no que sentimos. Mas, a questão é que costumamos ficar muito "na cabeça", e...Ver mais


Aumentando a auto estima: Se sentiu, não finja que não sentiu e se viu, não finja que não viu! por:


aumentandoaautoestima.blogspot.com


Nesse espaço discutimos o que fazermos para melhorarmos a nossa vivencia e convivencia enquanto estivermos andando por esse planeta tão maravilhoso. Falamos sobre a nossa tão sonhada auto-estima, nossas dores da alma, e a forma que podemos seguir para cura-la. Fique a vontade.

terça-feira, 28 de setembro de 2010

Discussão do Livro / Parte III

MITO: A pornografia infantil é como a pornografia adulta e é inócua.
REALIDADE: Uma diferença fundamental entre a pornografia adulta e infantil é que, na maior parte dos casos da pornografia adulta, há um grau de consentimento. Esse não é o caso da pornografia infantil, que deve ser considerada como um ato de abuso sexual, pelo fato de a criança não ser capaz de dar seu consentimento. Uma suposição que vai mais além é a de que a pornografia impede os abusos e as ofensas reais contra as vítimas. Não há evidências suficientes para apoiar essa teoria, pois muitos pedófilos passam do uso da pornografia infantil para o abuso real.

MITO: As crianças têm imaginação fértil e fantasiam muitas coisas, incluindo o abuso sexual.
REALIDADE: Apesar de as crianças realmente terem imaginação fértil e serem capazes de fantasiar muitas coisas, não significa que fantasiem o abuso sexual. A maioria das crianças não possui conhecimento nem percepção sexuais suficientes para ter o que são, em essência, fantasias sexuais adultas. A consequência dessa concepção errônea faz com que as pessoas não acreditem na criança, ignorando, portanto, a realidade do abuso sexual. Essas crenças também servem para deslocar a responsabilidade do abuso sexual do abusador para a criança.

MITO: O abuso sexual em crianças não causa danos à criança.
REALIDADE: Os pesquisadores encontraram evidências consideráveis de que o ASC pode causar danos significativos às crianças e que tem efeitos de curto e longo prazos. O perigo desse mito é que o ASC é minimizado em termos de danos e males para a criança. O pedófilo acredita que pratica amor e não abuso.


A criança é aliciada por seu abusador para se comportar da maneira que ele quer e, por ser impotente e indefesa perante o abuso, obedece por medo das consequências que podem advir se ela não concordar. Muitas crianças se resignam ao abuso sexual porque não têm meios de escapar e sobrevivem aos abusos sexuais pela obediência e dissociação, esperando que o suplício acabe tão logo quanto possível.
O impacto do abuso sexual varia de criança para criança, dependendo da idade que ocorre, do relacionamento com o abusador, da duração e da frequência do abuso e do tipo da atividade sexual, o que faz com que as crianças demonstrem uma gama de sinais e sintomas. Como quase sempre os abusadores fazem com que as crianças jurem segredo sobre o ASC, elas podem tentar comunicá-lo de formas não verbais.

quinta-feira, 23 de setembro de 2010

Discussões do Livro / Parte II

ASC = abuso sexual em crianças

Os mitos e a realidade do abuso sexual em crianças (apenas alguns...)

MITO: O ASC não é tão comum quanto as pessoas pensam.
REALIDADE: O ASC está, sem dúvida, mais difundido do que as pessoas percebem. Acredita-se que o ASC ocorre em geral com uma entre quatro garotas e com um entre seis garotos. O ASC é algo sistemático e que pode algumas vezes durar por muitos anos.

MITO: O ASC ocorre apenas em certas comunidades / culturas / classes.
REALIDADE: O abuso sexual em crianças ocorre em todas as culturas, comunidades e classes. O ASC não acontece só com outros, pode acontecer com qualquer criança em qualquer lugar. Somos atraídos pela falsa idéia de segurança de que nossas crianças  estão fora de perigo.

MITO: O ASC é desculpado pela Bíblia.
REALIDADE: A Bíblia está sujeita a todo tipo de interpretações. Abusadores podem utilizar essas interpretações para fornecer uma desculpa para abusar sexualmente de crianças. A Bíblia, porém, exige a proteção das crianças e o banimento de atos sexuais imorais.

MITO: O ASC ocorre apenas em famílias desestruturadas.
REALIDADE: Famílias não abusam sexualmente das crianças; os Indivíduos é que o fazem. O ASC pode ocorrer em qualquer família.

MITO: O abuso sexual em crianças está aumentando.
REALIDADE: O ASC existe há séculos. Ainda que muito do ASC permaneça oculto, é provável que seja menos oculto hoje do que no passado.

MITO : Estranhos abusam sexualmente das crianças.
REALIDADE: A pesquisa atual mostra que, em aproximadamente 87% dos casos, o abusador é alguém conhecido da criança e que tem a confiança dela.

MITO: Apenas homens homossexuais abusam dos garotos.
REALIDADE: Homens tanto heterossexuais como homossexuais ou bissexuais abusam das crianças. Na realidade, a maioria dos abusadores são heterossexuais.

MITO: Mulheres não abusam sexualmente das crianças.
REALIDADE: A pesquisa sugere que aproximadamente 20% a 25% dos ASC são perpetradas por mulheres.

MITO: O abuso sexual é sempre violento.
REALIDADE: O ASC pode ser violento, mas a maneira pela qual é infligido não necessariamente envolve algum tipo de violência física. A maior parte dos ASC envolve engodo, manipulação e "lavagem cerebral" sutil da criança. De início, muitos pedófilos  demonstram pela criança atenção, afeição e "amor" extra-especiais e, então, a chantagem para garantir que ela se submeta ao abuso sexual e permaneça quieta, o que é feito pela remoção do amor e da atenção ou pela recompensa da criança com agrados ou presentes. Alguns pedófilos garantem o silêncio da criança com ameaças contra ela, seus pais, irmãos ou animais de estimação.

MITO: Não há abuso sexual se a criança consentiu.
REALIDADE: A criança não é capaz de saber do que ela está participando, nem as consequencias do seu comportamento e, como tal, não é capaz de dar consentimento. Uma criança não está totalmente consciente da sua sexualidade ou do sexo e de todas as suas complexidades. Em geral, a criança não tem escolha, a não ser consentir com o abuso sexual. Isso é submissão, não consentimento.

Continua...













               

quarta-feira, 22 de setembro de 2010

Discussões do Livro / Parte I

Comecei a ler o livro "Abuso Sexual em Crianças" de Christiane Sanderson. O objetivo do livro é fortalecer Pais e Professores para proteger crianças contra Abusos Sexuais e Pedofilia. Fala sobre o desenvolvimento sexual da criança abusada; o impacto do abuso sexual em crianças; sinais e sintomas de abuso sexual em crianças; entre outras coisas...
"É obrigação dos adultos manter as crianças longe dos perigos, mas isso só é possível se eles tiverem informações suficientes para avaliar quando uma criança está em perigo." (Tink Palmer, Oficial de Normas e Práticas da Barnardo / Maior instituição de caridade voltada para crianças do Reino Unido).
"A melhor maneira de manter seu filho seguro é educar a si mesmo quanto ao abuso sexual em crianças. Se eu soubesse mais sobre os sinais de alerta, talvez pudesse ter impedido minha filha de ter sido abusada sexualmente". (Mãe de uma criança de 5 anos abusada sexualmente).
"O abuso sexual em crianças pode ser violento, mas a maneira pela qual é infligido não envolve violência nenhuma. A maioria dos abusos sexuais implica uma lavagem cerebral sutil da criança, que é recompensada com agrados ou com mais amor e atenção ou, ainda, subornada para se manter quieta". (Survivors Swindon, organização de auxílio a adultos sobreviventes ao abuso sexual quando crianças).

O livro fornece também endereços eletrônicos e contatos úteis para informações e denúncias...

domingo, 19 de setembro de 2010

Sakineh e a política externa brasileira




A iraniana Sakineh Ashtiani corre o risco de ser executada brevemente, em um ato de flagrante barbárie, com o qual não se pode compactuar



A opressão das mulheres é um problema mundial. O bloco ocidental do globo, porém, avançou nas diretrizes traçadas pelos direitos humanos e está aprendendo, devagar e firmemente, a respeitar a população feminina e a reconhecer-lhe direitos iguais aos dos homens.
No Brasil, temos leis que protegem a mulher da violência doméstica e, para isso, contamos com os serviços das delegacias de defesa da mulher e das varas especiais de violência doméstica, instituídas pela Lei Maria da Penha.
Embora ainda exista muita agressão à mulher em nosso país, nada se compara à violência estatal que está em curso no Irã.
Sakineh Ashtiani, mulher iraniana de 42 anos, assim como muitas outras antes dela, encontra-se no corredor da morte.
Seu crime, confessado mediante tortura, foi ter mantido relações sexuais fora do casamento. Ela estava separada do marido, quando encontrou outro homem que se tornou seu namorado.
Por essa conduta, considerada adultério pela sharia (lei islâmica), foi presa, torturada e condenada à morte. Posteriormente, acrescentaram-lhe mais uma acusação, que ela nega: ter assassinado seu ex-marido, em coautoria.
Há poucos dias, mais uma punição: 99 chibatadas por ter sido exibida na TV uma fotografia sua sem os trajes tradicionais da mulher muçulmana. Mesmo tendo ficado esclarecido, logo em seguida, que a foto não era dela, Sakineh continuou condenada ao açoite.
Todos esses "crimes" foram-lhe atribuídos sem um julgamento justo, sem o devido processo legal. O advogado de Sakineh está foragido, por ter sido ameaçado de morte. Acabou renunciando ao mandato e não a defende mais.
O filho dela, Sajad Qaderzadeh, foi interrogado pela polícia e ameaçado após ter dado entrevista a jornais estrangeiros, conforme informou a Anistia Internacional.
Ainda segundo a mesma organização de defesa dos direitos humanos, no ano passado foram executadas 388 pessoas no Irã, sendo 14 em ato público e pelo menos uma apedrejada. Um dos maiores índices de execução do mundo.
Sakineh corre o risco de ser executada brevemente, em ato de flagrante barbárie. A comunidade internacional vem intercedendo a seu favor. O Brasil ofereceu a ela asilo político, as organizações de direitos humanos pedem que ela seja poupada, mas as autoridades iranianas não parecem se sensibilizar com tais apelos.
Antes desses fatos, o presidente Lula foi mostrado em fotografias ao lado do presidente Ahmadinejad, ambos sorrindo e revelando ao mundo as relações de amizade entre os dois países. Apesar disso, não parece que a aproximação com o Irã esteja trazendo ganhos econômicos significativos ao nosso país.
O momento exige, de nossa parte, posição firme em defesa dos direitos humanos e postura mais crítica com relação a países que executam cruelmente mulheres e homossexuais, pelo simples fato de serem mulheres e homossexuais.
Nossa Constituição Federal proíbe toda e qualquer forma de discriminação, consagrando ampla proteção aos direitos da cidadania.
Não podemos contrariar nossas próprias leis e ignorar violações gravíssimas, mesmo que cometidas por outros países.

Da Folha de São Paulo de 18/09/10
Texto de LUIZA NAGIB ELUF, procuradora de Justiça do Ministério Público do Estado de São Paulo e autora de "A Paixão no Banco dos Réus", entre outros livros, é candidata a deputada federal (PV-SP). Foi secretária nacional dos Direitos da Cidadania do Ministério da Justiça (governo Fernando Henrique Cardoso).

Terror

Após a abertura da página "Filhas do Silêncio" no facebook, tenho recebido muitas mensagens. A maior dúvida exteorizada é por que me submeti tanto tempo ao meu pai. Quando criança, ainda dá para entender...mas e depois? É difícil explicar, pois envolve vários tipos de sentimentos. Envolve terror (um medo profundo), impotência diante da situação (na época, não havia nenhum tipo de ajuda para esses casos), omissão e rejeição (não podia contar com a minha mãe) e uma forte chantagem emocional.
Desde pequena aprendi a sentir medo do meu pai. E ele impunha esse medo de uma maneira brutal...tiranizando...agredindo verbalmente e, principalmente, chantageando.
Devo contar um pouco sobre ele. Homem extremamente culto e articulado. Bem apessoado, elegante. Viajado (conheceu mais de 65 países). Tocava piano, lia muito, conhecia a fundo praticamente todos os assuntos. Tudo girava em torno dele...todos giravam em torno dele. Era um homem para ser adorado ou odiado. Não havia meio termo...E a grande maioria simplesmente o adorava, o idolatrava. Como eu poderia chegar e contar? Quem iria acreditar? Até hoje sou considerada mentirosa e louca. Inclusive pela minha mãe.
Com certeza, psicólogos / psiquiatras explicam isso. Lembro,como se fosse hoje, que desde pequena distinguia os passos dele. Nunca errava. Eu podia estar no apartamento e ele na rua...Os finais de semana eram um tormento para mim. Ele sempre dava um jeito de tirar a minha mãe de casa e aí...Quase sempre eu queria sair junto, mas as ameaças vinham através de gestos. Frequentemente eu chorava de desespero, tentava sinalizar para a minha mãe, mas ela era impiedosa. Talvez, se eu tivesse tido uma MÃE, não teria chegado a tanto.
Quando comecei a me rebelar, com mais ou menos 19 anos, ele passou a me chantagear fortemente em relação a minha irmã. Chegou ao ponto de tentar molestá-la; ela me contou. Tudo o que eu sofri até aquele momento, tinha sido por ela. Seria tão fácil ir embora...mas e ela? Como poderia deixar que ele a molestasse (ela é 11 anos e meio mais nova que eu). O amor que sentia por minha irmã era incondicional. Hoje em dia ela não fala comigo, me despreza, considera que sou louca e mentirosa...que sou  responsável pela morte dele (muitos acham isso).
Tudo o que eu aguentei foi por amor, para poupar a minha mãe e minha irmã e, principalmente, pelo terror que sentia do meu pai. A escolha foi minha e, com certeza, estou pagando muito caro por ela. Até hoje! O que dói mais não é a agressão física sofrida e, sim, a agressão verbal, que sofro desde adolescência e ainda sofro da minha mãe e de várias pessoas.Desprezo também.
Por vários anos rejeitei a idéia de ter filhos (apesar de sempre ter sido o meu maior sonho). Também não queria me casar. Hoje estou no 18° ano do meu casamento e temos dois filhos. E, se no passado fui imperfeita, sei que sou uma boa mãe. Mãe amiga e companheira. Liberal, mas criteriosa. E, o mais importante de tudo, amorosa!
A violência fica impugnada na gente por toda a vida. O tempo se incube do perdão, mas não de aceitação. É duro ouvir a minha mãe gritar que a culpa foi minha, que fui eu que permiti...quando na verdade busquei sua ajuda e tentei poupá-la. É duro, aos 43 anos, ainda sofrer descaso e rejeição da própria mãe...e da sociedade. Mas vou caminhando em frente. Caminhando e lutando. Lutando e tentando perdoar, aos outros e a mim mesma. Simplesmente tentando ficar em paz e ser feliz.

terça-feira, 14 de setembro de 2010

Saúde Emocional

Cada vez mais as pessoas adoecem emocionalmente. O adoecer emocional somatiza para o físico. Quem fica doente emocionalmente, também adoece fisicamente e, muitas vezes, mentalmente. Depressão, ansiedade, angústia, insônia são causados e causadores de muitos males. E os males que as causam, na maioria das vezes, são o descaso, a omissão e a agressão verbal.
Não é preciso muito para corrigir isso, para enriquecer o nosso dia a dia. Mas, quase sempre, buscamos a química dos remédios, relegando a química do amor ao segundo plano. Uma palavra agradável, um sorriso, atenção para com o próximo são bálsamo para a nossa alma. Interessar-se um pouco mais por nossos companheiros talvez resolvesse várias pendências. Palavras bondosas, de estímulo, são pílulas que curam. Basta tão pouco para tornar o dia mais aprazível e amenizar os males emocionais...É só olhar para dentro de si mesmo e buscar o seu melhor. E, com isso, tornar menos árduo o seu dia, prosperar o seu humor. Contagiar aos outros...Invés de tomar um comprimido e lamentar-se, olhe ao redor. Sorria, ajude, se interesse pelo semelhante. Tenha tempo para o próximo e o tempo se incubirá de suavizar os seus males pessoais. É como uma corrente...um elo está interligado ao outro. Basta tão pouco...para fazer muito!!!

domingo, 12 de setembro de 2010

Solidariedade e Amizades Virtuais


Nunca, na minha vida, estive tão presente na sociedade. Isso é devido a redes de relacionamento. Nunca, também, senti tanto apóio e solidariedade. Nesse momento, em que novamente passo por tormentos, isso é o bálsamo, a salvação...
Como sempre sofri de depressão e medo das pessoas, me fechei completamente. Passei a me relacionar com alguns somente, muitas vezes de forma supérfula. Quando abri o orkut, em dezembro do ano passado, fui invadida por pessoas e compreensão. Fato desconhecido para mim até então. A sensação é que, aos 42 anos, descobri o mundo...Fui ouvida, compreendida, apoiada. Através das comunidades, penetrei num mundo conhecido bem por mim. Mas não me foquei somente em desgraça. Descobri os debates sobre literatura, arte, países...Travei conhecimento com pessoas de várias áreas, línguas, profissões, histórias de vida...Enriqueci o meu mundo.
Na mesma época, abri o facebook. Não gostava do face, não sabia como usar. Com o tempo fui aprendendo. Hoje, ao todo (no meu face pessoal e no da Bya) tenho quase 1.700 amigos. Muitos deles em comum. Montei uma rede de conhecimento, de divulgação. Aprendi a compartilhar, a dividir. A ouvir, a protestar. Fiz amizades que pretendo solidificar, trazer além do virtual...Mas o melhor de tudo, foi aprender a compartilhar. Não só a minha história, como a dos outros.
É claro que o mundo virtual tem as suas desvantagens. A maior, é que num tempo determinado, é preciso apertar o botão de desligar...ficar off...e nesse instante o mundo real te invade imensamente...totalmente...e nada, nada suavemente. A outra desvantagem é o vício, a dependência. Passei por isso. Sei muito bem o que é sacrificar a vida pessoal em prol da vida virtual. Somente com muita disciplina e determinação é que consegui vencer essa dependência. E, com isso, fui descobrindo o mundo real. E fiquei maravilhada, pois descobri pessoas maravilhosas!
Outro dilema que o virtual trouxe foi o da Bya Albuquerque. Sempre afirmei e afirmo que a Bya não é fake...é pseudônimo. Pseudônimo esse que precisei usar logo no início, para me proteger, e aos meus filhos. Bya sou eu...eu sou a Bya. Não tem como separar, desvincular nós duas, pois somos uma só. Mas a Bya começou a pesar em mim. De repente, quis ser eu mesma, ser amada e compreendida por quem sou...É uma batalha que travo comigo mesma. O que fazer? "Matar" a Bya e me assumir? Continuar? Decidi deixar como está. A Bya ficou sendo uma referência para várias pessoas, não seria justo com elas. E, na verdade, nem comigo mesma. Pois foi através da Bya Albuquerque que cresci, emergi e revivi. Pena que com todo esse dilema, essa dúvida, acabei sacrificando o blog, a minha comunidade e, muitas amizades. Fatos que pretendo corrigir...
Só me resta agradecer a todas as pessoas, a todos os amigos, tanto virtuais como reais. Pelo carinho e paciência, pela amizade e compreensão. Muito obrigada! Que Deus vos abençoe sempre e vos traga muita paz e harmonia!

segunda-feira, 6 de setembro de 2010

Página no facebook

Com a ajuda do meu marido, criamos uma página no facebook intitulada "Filhas do Silencio". Juntamente com o blog e o orkut, dará continuação à luta contra qualquer tipo de violência.

segunda-feira, 16 de agosto de 2010

Amar ou ser Amado?

Se pudéssemos escolher apenas uma alternativa… O que seria mais importante? Amar ou Ser Amado?Vamos presumir que a alternativa escolhida fosse Amar… Como é bom Amar… Sentir o coração bater mais forte… As mãos frias e trêmulas…as pernas fracas… O sorriso n...os lábios… o carinho e o respeito do ser amado.. Quando pensamos na pessoa amada, uma enorme sensação de leveza vai tomando conta do nosso corpo… Da nossa mente…da nossa alma…assim, sem pedir licença… pode ir entrando e tomando conta do nosso ser… E, agora, vamos pensar na outra escolha… Ser amado… Como é maravilhoso saber que existe alguém que nos ama… Que se importa conosco… Que se preocupa com tudo o que nos possa acontecer… A pessoa que nos ama está sempre vigilante… Tentando nos proteger de situações que poderiam nos machucar. Então,pensando bem o ideal seria: Amar sem sufocar… Amar sem aprisionar… Amar sem cobrar… Amar sem exigir… Amar sem reprimir,amar e respeitar Simplesmente Amar… E Ser Amado sem se sentir sufocado… Sem se sentir aprisionado… Sem se sentir cobrado… Sem se sentir exigido… Sem se sentir reprimido Sendo respeitado(a) Simplesmente ...Ser Amado! UMA SEMANA ILUMINADA À TODOS !!!! MUITA PAZ E AMOR NOS CORAÇÕES E EM NOSSAS ATITUDES...!!! Bjs Ver mais



De: Pela "Não violência contra as mulheres"

Em nome de...

É em nome da verdade que todos brigam, é em nome do bem que se comete a maioria das crueldades humanas. A simples enunciação desses termos, verdade e bem, é capaz de gerar mais discórdia que concórdia entre os homens, pois mais que certezas, se supõe que se perde prestígio ao se ter a verdade e o bem acreditado refutado por outra verd...ade ou bem. As grandes certezas dos homens sempre foram mais prejudiciais ao desenvolvimento humano que as dúvidas sinceras e as incertezas decorrentes de uma reflexão mais atenta. A certeza é uma aberração momentânea daquele que não percebe que o conhecimento e a sabedoria vêm sendo ampliados e transformados pelo esforço árduo de várias gerações de homens, duvidando das certezas de suas épocas e propugnando novas interpretações para os fatos naturais ou culturais, e que as gerações posteriores percebem ser mais apropriadas que as anteriores.




Roberto de Barros Freire

sexta-feira, 13 de agosto de 2010

Ante as Decepções

ANTE AS DECEPÇÕES


Redação do Momento Espírita


http://www.momento.com.br/pt/ler_texto.php?id=1697&let=A&stat=0


Não somos poucos os que nos tornamos pessoas amargas, indiferentes ou frias, por causa de decepções que afirmamos ter sofrido aqui ou ali, envolvendo outras pessoas.


A decepção foi com o amigo a quem recorremos num momento de necessidade e não encontramos o apoio esperado. Foi com o companheiro de trabalho que nos constituía modelo, parecia perfeito e o surpreendemos em um deslize.


Tais decepções devem nos remeter a exames melhores das situações.


Decepcionarmo-nos com pessoas que estão no Mundo, sofrendo as nossas mesmas carências e tormentos não é muito real.


Primeiro, porque elas não nos pediram para assinar contrato ou compromissos de infalibilidade para conosco.


Segundo, porque o simples fato de elas transitarem na Terra, ao nosso lado, é o suficiente para que não as coloquemos em lugares de especial destaque, pois todas têm seu ponto frágil e até mesmo seus pontos sombrios.


A nossa decepção, em realidade, é conosco mesmo, pois que nos equivocamos em nossa avaliação, por precipitação ou por análise superficial.


Não menos errada a decepção que afirmamos ter com a própria religião, com a doutrina de fé cristã que está a espalhar, em toda parte, os ensinamentos deixados por Jesus Cristo para os seres de boa vontade.


O que acontece é que costumamos confundir as doutrinas que ensinam o bem, o nobre, o bom com os doutrinadores que, embora falem das virtudes que devemos perseguir, conduzem as próprias existências em oposição ao que pregam.


Como vemos, a decepção não é com as mensagens da Boa Nova, mas exatamente com os que conduzem a mensagem. Nesse ponto não nos esqueçamos de fazer o que ensinou Jesus: comparar os frutos com as qualidades das árvores donde eles procedem, de modo a não nos deixarmos iludir.


Avaliemos, desta forma, as nossas queixas contra pessoas e situações e veremos que temos sido os grandes responsáveis pelas desilusões do caminho.


Nós mesmos é que criamos as ondas que nos decepcionam e magoam.


Cabe-nos amadurecer gradualmente nos estudos e na prática do bem, aprendendo a examinar cada coisa, cada situação, analisar a nós mesmos com atenção, a fim de crescermos para a grande luz, sem nos decepcionarmos com nada ou com ninguém.


Precisamos aprender a compreender cada indivíduo no nível em que se situa, não exigindo dele mais do que possa dar e apresentar, exatamente como não podemos pedir à roseira que produza violetas, que não tenha espinhos e que não despetale suas flores na violência dos ventos.


* * *


Para que avancemos em nossa caminhada evolutiva, imponhamo-nos uma conduta de maturidade, de indulgência e de benevolência para com os demais.


Disponhamo-nos a brilhar, sob a proteção de Deus, avançando sempre, não nos detendo na retaguarda a examinar mágoas e depressões, que se apresentam na estrada como pedras e obstáculos, calhaus e detritos.




Redação do Momento Espírita, com base no cap. 28 do livro Revelações da luz, pelo Espírito Camilo, psicografia de Raul Teixeira, ed. Fráter.

terça-feira, 10 de agosto de 2010

CHIQUE...

Recebi esse texto do amigo Dorival Jr. (by Rosana C.)

Nunca o termo "chique" foi tão usado para qualificar pessoas como atualmente. A verdade é que ninguém é chique por decreto. E algumas boas coisas da vida, infelizmente, não estão à venda. Elegância é uma delas. Assim, para ser chique é preciso muito mais que uns guarda-roupas recheados de grifes importadas. Muito mais que um belo carro Alemão. O que faz uma pessoa chique, não é o que essa pessoa tem, mas a forma como ela se comporta.


Chique mesmo é quem fala baixo. Quem não procura chamar atenção com suas risadas muito altas, nem por seus imensos decotes. Mas que, sem querer, atrai todos os olhares, porque tem brilho próprio. Chique mesmo é quem é discreto, não faz perguntas inoportunas, nem procura saber o que não é da sua conta. Chique mesmo é parar na faixa de pedestre e abominar a mania de jogar lixo na rua. Chique mesmo é dar bom dia ao porteiro do seu prédio e as pessoas que estão no elevador. É lembrar do aniversário dos amigos. Chique mesmo é não se exceder nunca. Nem na bebida, nem na comida, nem na maneira de se vestir. Chique mesmo é olhar no olho do seu interlocutor. É "desligar o radar" quando estiverem sentados à mesa do restaurante, e prestar verdadeira atenção à sua companhia.


Chique mesmo é honrar a sua palavra. É ser grato a quem lhe ajuda, correto com quem você se relaciona e honesto nos seus negócios. Chique mesmo é não fazer a menor questão de aparecer, mas ficar feliz ao ser prestigiado.


Mas para ser chique, chique mesmo, você tem, antes de tudo, de se lembrar sempre do quanto que a vida é breve e de que vamos todos para o mesmo lugar. Portanto, não gaste sua energia com o que não tem valor, não desperdice as pessoas interessantes com quem se cruzar e não aceite, em hipótese alguma, fazer qualquer coisa que não lhe faça bem. Porque, no final das contas, chique mesmo é ser feliz!!!

segunda-feira, 9 de agosto de 2010

Matéria da Revista CULT...compartilhada do facebook

Cult RedacaoRevista CULT: História como missão


Nicolau Sevcenko encontrou no estudo da história o caminho para defrontar-se com os enigmas de seu passado

http://revistacult.uol.com.br/home/2010/08/historia-como-missao/



Por Wilker Sousa

...Nem todos podem se gabar de terem feito do desejo pessoal o fator preponderante na escolha de uma profissão. Ainda mais raros são aqueles capazes de fundir trajetória pessoal e profissional de tal modo a tornar obscura a fronteira entre elas. Separar Nicolau Sevcenko da história não é tarefa das mais fáceis. Nos idos da Revolução Russa, seu avô – oficial do exército daquele país – lutara ao lado dos tsaristas contra os bolcheviques, o que incutiu em sua família uma série de infortúnios que se arrastou por gerações. Forçados a fugirem do país, ante a implacável perseguição das tropas stalinistas, os Sevcenko perambularam por diversos países; muitos foram dizimados, outros conseguiram refúgio em regiões remotas como o Brasil. Embora distante dos olhos de Stalin, sua família aqui permaneceu sob o signo do medo, confinada em seu mundo particular. Uma vez firmada residência em terras brasileiras, optou-se então por bloquear esse passado, o que despertou a curiosidade do jovem Nicolau pelo estudo da história, na tentativa de desvendar aquele enigma pessoal.

Somado à busca por compreender o passado familiar estava o interesse por conhecer a cultura brasileira, da qual fora igualmente privado nos primeiros anos de vida. Tornou-se então uma referência na articulação entre o pensamento historiográfico e a cultura do Brasil, como atestam as obras Literatura como Missão: Tensões Sociais e Criação Cultural na Primeira República (1983), Orfeu Extático na Metrópole: São Paulo Sociedade e Cultura nos Frementes anos 20 (1992) e A Revolta da Vacina (1983), cuja reedição chega às livrarias neste mês. Professor titular de história contemporânea na USP, acumula também experiência internacional, tendo lecionado nas universidades de Londres, Georgetown e Illinois, além de ser atualmente professor na célebre Universidade de Harvard.

Nicolau Sevcenko nos recebeu em sua casa no bairro do Belém, em São Paulo, onde vive na companhia de sua mulher – a artista plástica Cristina Carletti –, além de 12 gatos e dois cachorros: Tobby e Biruta, uma simpática vira-lata que anda em movimentos circulares. E não seria exagero dizer que aquela residência parece ser uma extensão de sua estreita relação com a história. Construída por arquitetos normandos em 1920 por ocasião do surto industrial paulista, preserva em sua fachada e interiores os resquícios de um passado com vistas a ser demolido pela desenfreada especulação imobiliária. Felizmente ainda nos resta quem deseja mantê-lo de pé.



CULT – O passado de sua família teve influência na sua escolha por estudar história?Nicolau Sevcenko – Paradoxalmente, eu acho que sim porque meus familiares têm uma história muito trágica por serem refugiados políticos. Eles deixaram a Rússia literalmente fugidos, deixando para trás tudo o que tinham para poder comprar o direito de fugir e de sobreviver. De modo que, quando vieram para o Brasil, este era o lugar mais remoto do mundo, onde seria mais difícil encontrá-los. Sempre houve uma preocupação na família em bloquear esse passado. Havia uma instrução direta para os filhos das novas gerações nunca usarem o sobrenome, nunca dizerem quem são nem de onde vieram. Mesmo em casa, mantínhamos as cortinas fechadas, como uma espécie de blindagem em relação ao mundo externo. Então me acostumei a não cogitar, a não perguntar nada. Quando hoje penso por que fui fazer a opção por história, que é totalmente incomum na minha família, sem dúvida foi decisiva essa espécie de curiosidade sobre o passado longamente obscuro na minha memória.



CULT – O senhor perdeu seu pai aos cinco anos e foi obrigado a trabalhar desde cedo. Quais lembranças o senhor guarda daquele tempo?

Sevcenko – Eu e meu irmão nos tornamos órfãos de pai quando eu tinha cinco anos e ele sete. Então, nos pusemos a ajudar minha mãe a manter a família, porque, pouco tempo depois da morte do meu pai, ela também perdeu o emprego. Aí eu e meu irmão entramos no sistema informal e nos especializamos na coleta de metais para a reciclagem. Nós morávamos na zona leste de São Paulo, próximo ao Vale do Tamanduateí, onde estavam instaladas as primeiras grandes montadoras de automóveis. Elas jogavam toda a sucata industrial nas margens do rio, então nós íamos até lá, fazíamos a seleção e coletávamos os materiais que tinham valor para reciclagem.Era uma loucura. Imagine duas crianças subindo o vale do rio até a parte de cima do planalto da Vila Prudente e depois arrastando aqueles carrinhos o bairro inteiro, carregados de zinco, cobre, chumbo, latão, metais incrivelmente pesados, e a gente fazia isso como nossa rotina de vida.



CULT – E quais as marcas que essa experiência deixou em sua vida?

Sevcenko – Foi algo que tornou minha infância e adolescência incrivelmente penosas, mas ao mesmo tempo me deu essa contrapartida de endurecer o espírito no sentido de dar a ele a força, a energia e o ímpeto necessários para uma conquista intelectual e pessoal. Meu irmão se tornou engenheiro e eu construí uma carreira de historiador. Em nossa família, praticamente todos os outros tinham a orientação para a área das engenharias e das tecnologias aplicadas; fui o único que caiu para as humanidades. Obviamente isso causou uma certa crise familiar porque eles não entendiam e achavam que era uma opção completamente irresponsável. Durante um tempo fui estigmatizado, praticamente excluído do convívio familiar, até que começaram a aparecer notícias de um certo sucesso que deixou todo mundo muito surpreso e restaurou um pouco da minha respeitabilidade no núcleo familiar. Hoje em dia, a situação está muito mais tranquila e cordial.



CULT – Como seus pais eram refugiados políticos e pretendiam voltar para a Rússia, imagino que não havia uma assimilação da cultura brasileira em sua casa. Como foi seu contato com nossa língua e cultura?

Sevcenko – Você tem toda razão. Eles não tinham essa perspectiva de ficarem aqui como imigrantes. Era uma situação de transição e, no fundo, a grande expectativa era que o governo soviético fosse colapsar em algum momento. Eles não tinham a preocupação de criar raízes aqui, então não se deram nunca ao empenho de aprender a língua portuguesa, de assimilar a cultura. Nós fomos educados em russo e com as instituições características da cultura russa, e isso foi um problema muito grande para nossa integração aqui. Quando me dei conta de que as crianças com as quais eu brincava falavam outra língua, me queixei para minha mãe dizendo que eram todas estrangeiras e ela pela primeira vez falou: “Não, estrangeiros somos nós”.Como eu não aprendia a língua portuguesa em casa, tinha que aprender com as crianças. E elas eram cruéis: sempre ensinavam palavras que pudessem me causar algum constrangimento, o que me deixou por muito tempo muito inseguro com o uso da língua. Acredito que isso também contribuiu para que eu me tornasse especialista em história e cultura brasileira, na tentativa de entender o que para mim também era um grande enigma.



CULT – Deve ter sido penoso…

Sevcenko – Há também um outro aspecto da minha cultura familiar. O fato de eu ter nascido canhoto era visto como uma perversão do ponto de vista legal e também como um pecado segundo a Igreja. Isso fez com que minha mãe, contra sua vontade, por muito tempo amarrasse minha mão esquerda nas costas para me forçar usar a direita, o que acentuou uma condição de dislexia. Não a culpo, mas isso criou para mim uma condição irreversível, razão pela qual sou assim gaguejante, me faltam palavras óbvias, o que, para quem é professor, é problemático.



CULT – Muito de seu trabalho tem como base a articulação entre história e literatura. Essa abordagem encontrou resistência entre historiadores?

Sevcenko – Quando fiz minha pós-graduação nos anos 1970, no auge da ditadura, os grandes temas eram história econômica e história política. Eu tinha acentuado interesse pela questão cultural, o que não pegava bem porque parecia ser uma alienação do foco do debate e, nesse sentido, eu era percebido como uma presença que estava tirando o foco das discussões e despolitizando o ambiente. Quando formulei o projeto de doutorado, que daria o livro Literatura como Missão, as pessoas do Departamento de História em geral se acercaram de mim para dizer que aquele tipo de trabalho era incompatível com a pesquisa do departamento e que eu devia procurar o Departamento de Letras. Os responsáveis pela da área de Letras, por sua vez, encaminharam o projeto para o Departamento de Sociologia, que o encaminhou novamente para o Departamento de História. Então completei o ciclo e voltei, meio que contra a maré. Mas, na ocasião da defesa, a banca composta por professores consagrados [Sérgio Buarque de Holanda, Boris Schnaiderman, entre outros] me deu uma resposta tão favorável ao trabalho que pela primeira vez começaram a cogitar que talvez houvesse alguma coisa relevante.



CULT – O senhor possui quase 25 anos de experiência em universidades do exterior. Como analisa o interesse dos alunos estrangeiros pelo estudo da história brasileira e latino-americana?

Sevcenko – A sensação que tenho é a de um interesse contínuo que cresce mais ou menos como cresceu a projeção internacional do Brasil nestas últimas décadas. Houve um momento em que havia uma projeção cultural muito significativa, mas não havia, em contrapartida, uma compreensão do processo de desenvolvimento econômico e de remodelação da sociedade brasileira.

Hoje em dia, porém, sobretudo nos Estados Unidos, onde há um sentido muito forte de se entender a universidade como um ambiente profissionalizante, há uma enorme parcela da juventude que se interessa por trabalhos de sentido social ou ecológico ligados a ONGs. É esse o público que procura os cursos ligados ao Brasil ou à América Latina e que, de maneira geral, tem uma sensibilidade muito aguçada para a questão social, para a democratização, urbanização e melhoria das condições de vida das populações carentes.



CULT – De modo geral, a percepção do exterior com relação à história do Brasil é ainda marcada por estereótipos?

Sevcenko – Cada vez menos. Eu diria que a mídia sempre traz essa visão mais simplificada e redutiva, mas é claro que no ambiente universitário o interesse é sofisticar e qualificar essa visão. Hoje em dia há pessoas nos Estados Unidos e no Reino Unido que conhecem aspectos da realidade brasileira em profundidade e são capazes de discutir em igualdade de condição com os melhores cientistas sociais brasileiros.



CULT – Em comparação a essas universidades, qual a posição do Brasil com relação ao ensino da história?

Sevcenko – O Brasil tem um conjunto muito rico e diversificado de escolas historiográficas. Temos a influência francesa, especialmente na Universidade de São Paulo, a forte influência britânica na Unicamp e, de uma maneira mais equilibrada, a força de universidades no Rio de Janeiro, Minas Gerais e Rio Grande do Sul. Por toda parte há importantes centros de estudos históricos e encontros regionais e nacionais de historiadores que mantêm o debate em linha de conta com o melhor da produção internacional. Eu me sinto muito orgulhoso de pertencer à comunidade dos historiadores brasileiros e acho que o reconhecimento que encontrei fora do Brasil é justamente devido à qualidade da historiografia brasileira, não só da USP, mas desse grande contexto nacional.



CULT – Passemos, então ao livro A Revolta da Vacina. No prólogo desta edição, o senhor afirma se tratar de “um livro amargo”, dado o contexto em que foi escrito, em plena ditadura militar. O senhor acredita que muito do ímpeto de indignação característico daquela geração cedeu lugar à acomodação, à manutenção do status quo?

Sevcenko – É obviamente uma impressão pessoal porque eu venho de uma geração que lutou contra a ditadura militar, contra o obscurantismo da censura e da repressão. A juventude era estigmatizada como uma força turbulenta e “baderneira”, pois não se podia viver com espontaneidade a condição de ser jovem. Nós tínhamos a expectativa de que, quando a ditadura acabasse, toda essa enorme massa crítica ia se traduzir em um projeto de transformação do Brasil, traduzir-se em uma sociedade distributiva, democrática e inclusiva, mas absolutamente não foi isso que se deu. O país tomou a linha de um conservadorismo que se instaurou no mundo a partir de meados dos anos 1970, em especial a partir da liderança de Ronald Reagan e Margaret Thatcher, responsáveis por trazer esse discurso que hoje domina o planeta. Então foi terrível ver toda aquela corrente de crítica, de indignação e de esperança acabar sendo reduzida a essa plataforma conservadora, representada pelas forças políticas que se tornaram hegemônicas na sociedade civil após o fim da ditadura militar.



CULT – Atualmente, o verbo “revoltar-se” tornou-se sinônimo de “nostalgia tola”?Sevcenko – É triste, mas é. O verbo “revoltar-se” foi muito incorporado pela indústria, pelo mercado, pelo marketing no sentido de se fazer da revolta uma espécie de atitude fashion. Ser revoltado é o modo esperto de se assumir a juventude, aquilo que na linguagem do marketing se chama atitude. Infelizmente tudo a ver com roupas, marcas e estilos, nada a ver com conteúdo e substância. Até a revolta se tornou mercadoria.



CULT – À época da Revolta da Vacina, já se mostraram ineficazes os meios de se lidar com nossas mazelas sem se preocupar efetivamente com a raiz do problema. Passados mais de cem anos, ainda não aprendemos a lição?

Sevcenko – Quando escrevi o livro, eu o dediquei aos mortos da tragédia de Vila Socó, ocorrida em 1983, em Cubatão. Naquela ocasião houve um vazamento nas redes de distribuição de derivados de petróleo das refinarias e a população pobre da região foi se abastecer daquele combustível precioso. A favela se expandiu em cima das áreas ensopadas e as poucas pessoas que tentaram fazer alguma espécie de clamor para que a autoridade pública removesse a população dali não obtiveram sucesso. O fato é que ninguém tinha coragem de atacar o problema, muito menos a autoridade pública, pois ela negocia votos. Logo, quanto mais gente morasse lá, mais votos. Então aquilo cresceu exponencialmente até o dia em que virou uma tocha e todo mundo que estava ali foi reduzido a cinzas.

Quantas dessas tragédias anunciadas no Brasil se tornam moeda de negociação política? Por que proliferam essas construções em áreas de risco, onde qualquer alteração das condições atmosféricas ou do regime das águas vai causar uma tragédia? Porque justamente são áreas que se valorizam no mercado informal e atraem uma grande quantidade de pessoas, tornando mais fácil para as autoridades criar um sentido de negociação. Tolera-se que se assentem lá e isso significa que estarão em dívida e, portanto, terão que respaldar essas autoridades nas eleições.



CULT – O senhor acredita que por trás do discurso assistencialista à pobreza está, sobretudo, o desejo de preservá-la enquanto elemento essencial para a manutenção do nosso sistema político?

Sevcenko – Sim, é isso que eu chamo de política assistencial remediadora. Não se quer eliminar a pobreza. O que se quer é um modo de se administrar a desigualdade para que ela se torne uma estrutura de manutenção do status quo político. Status esse que prevalece no país e não é muito diferente daquele que ensejou a Revolta da Vacina no início da República. Se então pensarmos ou na Revolta da Vacina ou na Vila Socó ou nas enchentes desencadeadas do sul até o extremo norte do país, estamos vendo o fenômeno em uma estrutura que se mantém a mesma, por mais que se diga que há um discurso de reforma e de transformação social.



CULT – A exemplo do que foi feito nos primórdios da Primeira República, o Brasil ainda busca ocultar a todo custo o flagelo da escravidão?

Sevcenko – Eu acho que sim. Ela é na verdade a nossa herança maldita, a nossa dívida social que o país não consegue contemplar. Essa estrutura retrógrada praticamente nunca foi confrontada e nunca foi substancialmente transformada na passagem do período monárquico para o período republicano. Quando se objetivava fazer a transição do trabalho escravo para o trabalho assalariado, optou-se imediatamente pelo trabalho assalariado do imigrante europeu, deixando completamente à margem toda essa enorme população egressa da escravidão, como uma espécie de um estorvo social. Fica muito evidente, no contexto da Revolta da Vacina, como o país não tinha uma resposta para sair da escravidão na direção da construção de uma sociedade integrada, equilibrada e distributiva.



Se olharmos para a história subsequente e pensarmos na condição dos trabalhadores sazonais hoje em dia – como os cortadores de cana que trabalham em condições subumanas, arrastando em suas costas o sucesso do agronegócio brasileiro –, veremos que não estamos tão longe assim das condições de escravidão. Infelizmente o quadro é de profunda indignidade. E dizer que este país é todo dedicado à promoção social hoje em dia? Isso não só é uma inverdade, mas uma afronta.Ver mais

Fotos do grupo Revista CULT