segunda-feira, 31 de maio de 2010

Omissão

Omissão é deixar de manifestar-se, de fazer algo. É desvincular-se de um problema. Omissão é descaso, o que não deixa de ser um tipo de violência.
Muitas vezes encontramos, passamos por pessoas com dificuldades. Pessoas muitas vezes dignas, que a vida colocou numa situação difícil. E o que acontece é que transitamos por elas ou, simplesmente, damos alguma ajuda material. É lógico que eles precisam dessa ajuda, mas mais do que isso, precisam de consideração, de um sorriso. Quantas vezes paramos para conversar com elas, dar alguma atenção? Quase nunca! Escondemos-nos por trás de várias desculpas, por trás da pressa. E esquecemos que essas pessoas já tiveram uma vida, uma fam[ilia, um emprego...
Numa rua de São Paulo havia uma mulher que ficava sentada sempre perto de um viaduto. E estava sempre com um caderno, escrevendo. Uma vez por mês eu fazia um trabalho voluntário, ajudando pessoas carentes no Parque Dom Pedro, inclusive distribuindo marmitas. Houve uma vez que sobraram várias marmitas e pediram que eu levasse duas. Na volta para casa, lá estava ela escrevendo e com vários livros ao lado. Parei para oferecer-lhe uma marmita, que ela aceitou de bom grado. Foi quando reparei que os livros eram de filosofia. Começamos a conversar e ela contou que era bacharel em Filosofia, mas a bebida estragou tudo. Foi expulsa de casa, do emprego e vivia na rua. E escrevia. Pois o sonho dela era voltar para a faculdade e os escritos serviriam para uma futura tese de mestrado.
Ao me despedir, ela presenteou-me com um belo sorriso. E agradeceu. Não pela comida, mas pela conversa. Desde então, ao ajudar alguém, sempre dou um sorriso e, por dentro, faço uma breve oração. Acredito que assim evito a omissão e o sorriso que recebo de volta é um bálsamo para minha alma.

terça-feira, 25 de maio de 2010

Texto postado por amigo José Geraldo

Minas é o estado com maior número de pontos de exploração sexual infantil, diz pesquisa



Um levantamento realizado pela Polícia Rodoviária Federal em parceria com a Organização Internacional do Trabalho apontou 1.819 pontos de exploração sexual de crianças e adolescentes nas rodovias do país. Ainda segundo o levantamento, Minas Gerais é o estado onde o problema é maior, totalizando 290 pontos. Alguns destes pontos estão localizados em rodovias como as BR-381 e a BR-116, estradas que cortam o Leste de Minas.
Postos de gasolina, hotéis, boates, restaurantes e estacionamentos para caminhões são alguns exemplos de pontos vulneráveis de exploração sexual infantil. Por isso, segundo o coordenador do Serviço Social do Transporte no Vale do Aço, Marcus Vinícius de Oliveira, é preciso um trabalho especial nos perímetros urbanos das rodovias para conscientizar os motoristas e incentivá-los a denunciar o crime.
Mas o problema não se resume apenas às estradas. De acordo com dados da Secretaria de Estado de Desenvolvimento Social, em Minas Gerais foram contabilizadas 4.060 denúncias de abuso e exploração sexual de crianças entre maio de 2009 e abril deste ano. Grande parte dos casos foi registrada dentro do próprio lar da vítima.
Instituição de Timóteo acolhe meninas vítimas de abuso sexual
O Lar das Meninas, em Timóteo, é uma casa fundada em 1996 que atende garotas vítimas de abuso sexual. O objetivo é minimizar os efeitos do trauma. Rosângela Andrade Araújo, gerente da instituição, afirma que é grande o número de casos reincidentes. E que isso poderia ser evitado se houvesse tratamento também para os agressores.
Na cidade foram registrados 37 casos de abuso entre março de 2009 e março de 2010. O número pode ser ainda maior. Segundo Márcia Lúcia Nunes, presidente do Conselho Tutelar da cidade, muitas famílias que denunciam a situação não fazem representação na polícia. Essa atitude impede que os abusadores sejam indiciados aumentando os casos de impunidade para quem pratica esse tipo de crime.


A melhor parte da reportagem não foi transcrita, portanto veja o vídeo em http://in360.globo.com/mg/noticias.php?id=6590]


Ambas reportagens são do in360 no G1

terça-feira, 18 de maio de 2010

Preconceito

Recebi um e-mail de uma grande amiga virtual, narrando certos fatos que ocorreram na Páscoa. Como estive doente, não fiquei a par de certas notícias e essa foi uma delas.
A notícia era de que certos jogadores de Santos Futebol Clube se recusaram a participar de uma ação beneficente, que visava a entrega de ovos de Páscoa para crianças com paralisia cerebral. O evento foi promovido por um Centro Espírita e os jogadores são evangélicos.
Como espírita sei que sim, há o nosso Livre Arbítrio. Mas também nós foi dado o bom senso para distinguir o preconceito e certos princípios.
A solidariedade não deveria se restringir a religiões, crenças. Ela precisa ser maior, para poder haver coesão entre ela e a finalidade de ajudar.
Aliás, o evento não era religioso e sim de ajuda, de solidariedade. Bastava entregar os ovos, dar um sorriso...
O preconceito religioso é uma falta de respeito com o próximo. O preconceito é um mal com o qual convivemos diariamente. Todos nós já sofremos ou praticamos um dia. E, com certeza, sabemos ou temos uma idéia de como dói. É preciso lutar contra esse mal para que pessoas inocentes não paguem o preço da indiferença e da omissão.

segunda-feira, 10 de maio de 2010

Ser Mãe (Júlia -14 anos)

Gostaria de compartilhar com amigos os versos que recebi de presente, de Dia das Mães, da minha filha Júlia. Um dos presentes mais emocionantes que recebi na vida.


Ser Mãe


Ela grita, berra, chora, briga
Ela chama a minha atenção
Mas ela é minha vida
Eu sei que ela faz de coração


Ser mãe é ser guerreira
Ser mãe é ser chata
Ser mãe é ser teimosa
Mas ao mesmo tempo carinhosa


Eu sei que quando precisar
Um abraço forte eu posso contar
Que minhas angustias posso falar
Que ela nunca vai me abandonar


Nem nos momentos mais difíceis
Nem nos mais alegres
Minha mãe me acompanharia
Não importa aonde eu iria


Mãe querida
Mãe heroína
Eu te amo muito
Você é a minha vida

sábado, 8 de maio de 2010

Dia Das Maes - Recados e Imagens (4305)

Texto mandado por amigo Ari Carrasco

121.gif

Saber amar e saber perdoar

"Por vezes existe como que uma mágoa secreta que nos persegue, e que vai espanhando as suas raízes na nossa profundidade interior, perturbando-nos e retirando-nos a serenidade, devido a algum ressentimento aguardado, alguma ofensa «engolida», alguma perda sofrida que não fomos capazes de superar.Muitas vezes as nossas ansiedades transformam-se em medos ou fobias, em preocupações ou frustrações, em traumas e inseguranças, geradoras de mal-estar, que desequilibram emocional e afectivamente. Por isso sentimo-nos desgastados, vulneráveis, fragilizados… sem energia e, por vezes, ate mesmo escravizados.

Só na medida em que formos capazes de amar a realidade que nos feriu, através de um vivo sentimento de perdão, seremos capazes de voltar ao estado de paz original, que saudosamente recordamos, em vezes de remoermos o que nos aconteceu, o que só leva à mágoa.

O perdão é libertador e tem um poder terapêutico enorme, capaz de fazer experimentar o gosto da alegria de nos sentirmos libertos, autónomos, autênticos, assertivos e, por isso, felizes. Não podemos permitir que os nossos males passados nos continuem a deixar prostrados e nos roubem o entusiasmo pela vida, tornando-nos pessoas azedas e frias, quando temos uma vida para nos fazer apaixonar.
Devemos apaixonar-nos por cada instante do quotidiano, pelo brilho do sol, ou pelas ondas do mar, pelo encanto das manhas radiosas, ou pelo mais belo pôr-do-sol… pelo sorriso ou pelo toque que partilhamos, pela palavra que escutamos ou dizemos, pelo abraço que nos faz que nos faz sentir bem, pela ternura que sentimos e fazemos sentir…
A vida tem que ser acolhida, recebida, criada e recriada em cada instante, de forma a torná-la mais completa e saudável, cultivando a sua aceitação, através de uma aprendizagem feita de avanços e recuos, valorizando sempre o aqui e agora. A aceitação dos factos inevitáveis não nos deixa gastar energias inutilmente e permite-nos agradecer o que a vida dá, tornando-a mais fluida e positiva, olhando e valorizando o que temos e não desejando o que é dos outros.
O perdão libertador, nascido num coração que saber amar verdadeiramente, é tanto mais fácil e autentico, quanto maior a capacidade de amar e mantém aberta a porta por estar, dando graças.
Esta gratidão pelo dom da vida que, gratuitamente, nos foi dado por Deus, abre-nos as portas ao principio da partilha dos nosso talentos, postos render em nosso serviço e ao serviço dos outros". 

domingo, 2 de maio de 2010

Chico Xavier - Meu Ídolo

"Conheci" o Chico Xavier através das histórias da minha avó, sobrinha de uma das maiores médiuns do Brasil. O carinho que a minha vó sentia por ele era enorme. Aliás, foi através do Chico que a minha avó e o meu avô se conheceram.
Depois, quando mudei de cidade, continuei ouvindo falar sobre o Chico. E o meu apreço por ele foi somente crescendo, cada vez mais.
Quando me tornei espírita de "verdade" ou seja, praticante, passei a me interessar por outros espíritos autores e o Chico ficou "meio que adormecido" no meu coração. Mas a admiração que sentia pela sua figura sempre foi forte.
Foi somente no dia da sua morte é que percebi o quanto gostava / admirava ele. Fiquei triste, como se tivesse perdido um grande amigo, sem jamais conhece-lo.
O Chico se foi, mas a sua "presença" é constante, seja através dos livros, seja através dos seus ensinamentos.
Quando foi lançado o livro "As Vidas do Chico Xavier" de Marcel Souto Maior, não demorei para adquiri-lo. O livro foi um bálsamo pra mim e para o meu sofrimento. Não sei quantas vezes já o reli. Toda vez que fico "mal", deprimida, não tenho dúvidas: procuro na abnegação, na humildade do Chico a minha "cura". Que nem agora. E sempre deu e dá certo.
Não é preciso ser espírita para admirar o Chico Xavier. Sua jornada foi incrível. Um homem humilde, com um coração enorme, que abrigava a todos. Se um dia eu conseguir chegar a 1% do que o Chico foi, já estarei realizada. Considero-me uma pessoa de sorte por poder entender os seus ensinamentos e, muitas vezes, compreender a essência do seu ser. Se hoje sou uma pessoa melhor, é graças a ele. Às suas lições, à sua história de vida.
E é por isso que o Chico Xavier é o meu ídolo. Um exemplo a tentar ser seguido. Porque Chico foi e será o único. Abençoados são os que tiveram a chance de conviver com ele. Pois o Chico era abençoado, apesar de todo o sofrimento pelo qual passou. E eu me sinto abençoada também, mesmo sem ter o conhecido, mas por ter tido a chance de ter a sua figura no meu coração e, com isso, me tornar um pouco mais evoluída.