sexta-feira, 21 de junho de 2013

Quando aprender é um sofrimento / Disléxicos têm voz

TENHO 3 DISLÉXICOS AQUI EM CASA. BYA

Crianças com distúrbios de aprendizagem podem chegar à vida adulta sem desenvolver plenamente suas capacidades
É na idade escolar que os sintomas dos distúrbios de aprendizagem tornam-se mais visíveis. A criança tem dificuldades em áreas como escrita, leitura e matemática – problemas frequentemente confundidos com falta de inteligência, preguiça ou desleixo. É verdade que nem todos os casos são de distúrbios de aprendizagem. A maioria, aliás, está relacionada à falta de motivação, inadequação ao método de ensino, problemas na interação com o professor e até doenças como anemia, depressão ou comprometimento da visão e audição. Todas essas questões influenciam o aprendizado e devem ser descartadas antes de se partir para o passo seguinte: investigar a existência de distúrbios de aprendizagem, que são disfunções de bases neurobiológicas.

Os mais frequentes são dislexia (afeta leitura e escrita), transtorno não-verbal de aprendizagem (afeta distinção de formas, quantidades e tamanhos) e discalculia (dificuldade com cálculos). Também comum é o transtorno de déficit de atenção e hiperatividade (TDHA), um distúrbio de comportamento que pode prejudicar severamente a aprendizagem.

“Quando essas disfunções não são adequadamente identificadas e tratadas, a criança pode ter seu desenvolvimento escolar, psicológico e social comprometido e, por vezes, carregar o problema ao longo da vida. Além de afetar o desempenho educacional, esses transtornos acabam com a autoestima e podem, ao longo do tempo, desencadear outros sintomas, como ansiedade e depressão”, afirma o Dr. Erasmo Barbante Casella, neuropediatra do Einstein e coordenador do ambulatório de Distúrbios do Aprendizado do Instituto da Criança do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo.

A dificuldade de aprender é uma das queixas mais frequentes nos consultórios pediátricos.
Segundo ele, a dificuldade de aprender é uma das queixas mais frequentes no consultório pediátrico, respondendo por cerca de 5% de todas as consultas nessa especialidade. “Mas, antes de investigar eventuais disfunções neurológicas, é preciso analisar a existência de outras causas que possam estar levando ao problema”, observa o Dr. Erasmo.

O diagnóstico não é fácil, pois não há exames de imagem ou laboratoriais que permitam identificar esses distúrbios. Em geral, isso é feito por meio da avaliação da criança por diferentes profissionais, como neurologista, psicopedagogo, psicólogo e fonoaudiólogo. Mas há tratamento – e ele funciona! “Com estimulação e orientação, a criança encontra outras maneiras de aprender, superando as dificuldades”, diz Melina Blanco Amarins, psicóloga e psicopedagoga do Einstein “Para isso, é importante que essas disfunções sejam identificadas o quanto antes”, ressalta ela.


Dislexia

A dislexia atinge de 4% a 5% da população e é caracterizada pela falta de fluência na leitura, dificuldade para soletrar, fazer rimas e escrever corretamente. O disléxico costuma trocar sílabas e letras parecidas, como “v” e “u”, na hora de ler e escrever. “Mesmo sendo inteligente e apresentando bom desempenho em outras áreas, quem tem o problema acaba ganhando o rótulo de burro e preguiçoso. A tendência é, com o tempo, perder o interesse pela escola”, alerta o Dr. Erasmo.

O diagnóstico é feito a partir da avaliação de uma equipe multifuncional formada por neurologista, psicopedagogo, psicólogo e fonoaudiólogo, com base na história da criança e em uma série de testes que mostram sua capacidade para desenvolver determinadas atividades. É necessário ter, ao menos, dois anos de alfabetização. No entanto, é possível detectar os sinais mais precocemente. A criança com dislexia pode ter como antecedentes atraso no desenvolvimento da fala, na locomoção e no aprendizado de tarefas como segurar a colher e comer sozinho, por exemplo.

O tratamento inclui exercícios de decodificação fonológica para reabilitar as funções neurológicas envolvidas no aprendizado. O portador é estimulado a fazer rimas, cópias, soletrar palavras ou formar novas após a retirada de uma sílaba ou letra (tirar a primeira sílaba de sapato ou a primeira letra de casa, por exemplo). Vários estudos comprovam que, após dois meses recebendo esses estímulos, há significativa ativação nas regiões do cérebro responsáveis por essas funções.

Transtorno não-verbal da aprendizagem

Algumas pessoas leem fluentemente, mas não conseguem interpretar o conteúdo de um texto, têm dificuldade para realizar operações matemáticas mais complexas e executar tarefas como desenhar um cubo, jogar tênis ou andar de bicicleta. Nesses casos, a suspeita recai sobre o transtorno não-verbal da aprendizagem. O distúrbio tem origem neurológica e provoca comprometimento psicomotor e visoespacial, dificultando distinguir formas, quantidades, tamanhos e expressões faciais, entre outros.

A avaliação, como na dislexia, é feita por uma equipe interdisciplinar, a partir da aplicação de testes neuropsicológicos. O tratamento também deve envolver diferentes profissionais, como neurologista, psicólogo e fonoaudiólogo.

Discalculia

A criança com discalculia pode apresentar um desenvolvimento cognitivo normal e, mesmo assim, enfrentar sérias dificuldades com a matemática. O transtorno pode afetar a capacidade para contar, executar operações e cálculos, escrever e compreender até mesmo conceitos mais simples, como relacionar um número a uma quantidade de maçãs em uma cesta de frutas.

O tratamento, orientado pelo neurologista, envolve a realização de jogos e atividades psicopedagógicas que facilitam a descoberta de novos processos de aprendizagem.

TDAH

Observado em 5% a 6% das crianças e jovens de até 18 anos, o transtorno de déficit de atenção e hiperatividade (TDAH) afeta a aprendizagem, principalmente em razão da impulsividade, dificuldade para se concentrar e memorizar.

Quando chega ao final da leitura de um texto, o portador de TDAH muitas vezes não lembra mais do início. Outro problema que pode estar associado é o difícil relacionamento com pais, professores e colegas de classe. No adulto, o TDAH costuma afetar o sucesso profissional e o convívio familiar, afetivo e social.

“Vários estudos científicos demonstram que a doença tem bases neurológicas, atrasando a maturidade da área do cérebro ligada ao comportamento e ao aprendizado”, afirma o Dr. Erasmo. Em 60% a 70% dos casos, o TDAH está associado a outras doenças, como transtorno bipolar, depressão, ansiedade e dislexia.

O diagnóstico não é simples. A criança precisa ser submetida a uma avaliação extensa, na qual se busca identificar os prejuízos causados nos diferentes ambientes frequentados, como o familiar e o escolar, em um período mínimo de seis meses. A doença pode ser tratada com medicamento, acompanhamento de psicopedagogo para o paciente e também para a família.

Sinal de atenção

É importante que pais e professores estejam atentos aos sinais que a criança apresenta e que podem indicar que é hora de buscar ajuda de um especialista. Dificuldades na escola podem ter várias causas, inclusive os distúrbios de aprendizagem que, quanto antes forem identificados, melhor.

Como observam o neuropediatra Erasmo Casella e a psicóloga e psicopedagoga Melina Blanco Amarins, o estímulo, acompanhado de orientação para a criança, pais e professores, ajuda quem tem esses distúrbios a descobrir caminhos para o conhecimento. O importante é não deixar que a criança passe a vida encarando a escola como um sofrimento. Ela é, acima de tudo, um lugar de descobertas.

Nenhum comentário:

Postar um comentário