sábado, 5 de março de 2011

Mundo Mau

Aileen Wuornos

Aileen Carol Wuornos nascida em 29 de fevereiro de 1956 foi um assassina em série americana que matou sete homens na Flórida entre 1989 e 1990, mais tarde, alegando ter sido estuprada e violentada enquanto trabalhava como prostituta. Ela foi condenada e sentenciada à morte por seis dos assassinatos e executado por injeção letal em 9 de outubro de 2002. O nome que Wuornos foi registrada era Aileen Carol Pittman, em Rochester, Michigan. Ela tinha um irmão mais velho, Keith, que nasceu em fevereiro de 1955. Sua mãe, Diane Pratt, tinha 15 anos quando se casou com Leo Dale Pittman em 3 de junho de 1954. Menos de dois anos de casamento e dois meses antes de Wuornos nascer, Pratt pediu divórcio. Pittman foi um molestador de crianças que passou a maior parte de sua vida entrando e saindo da prisão. Wuornos nunca conheceu seu pai, como ele foi preso por estupro e tentativa de assassinato de um menino de oito anos de idade, no momento do nascimento dela ele estava preso. Leo Pittman foi estrangulado na prisão em 1969. Em janeiro de 1960, Pratt abandonou seus filhos, deixando eles com os avós maternos - Lauri e Britta Wuornos. Eles foram legalmente adotados em 18 de março de 1960 pela família Wuornos e eles passaram a usar esse sobrenome. Desde muito cedo, Wuornos se envolveu em relações sexuais com múltiplos parceiros, incluindo seu próprio irmão. Aos 13 anos, ela ficou grávida e alegou que a gravidez foi resultado de ter sido estuprada por um homem desconhecido. Wuornos deu à luz em uma casa de mães solteiras em Detroit no dia 23 de março de 1971. A criança, um menino, foi colocado para adoção. Em 7 de julho de 1971 Britta Wuornos morreu de insuficiência hepática, após Wuornos e seu irmão enfrentarem problemas com a justiça. Aos 15 anos, o avô de Wuornos a mandou para fora da casa e ela começou a sobreviver com a prostituição. Em 27 de maio de 1974, Wuornos foi presa no condado de Jefferson, Colorado por dirigir embriagada, conduta perigosa e disparos de uma pistola calibre .22 de dentro do veículo em movimento. Ela foi mais tarde acusada de desrespeito a autoridades. Em 1976, Wuornos se mudou para a Flórida com o presidente do clube de iate Lewis Gratz Fell, de 70 anos. Eles se casaram no mesmo ano e a notícia de seu casamento foi impressa nas páginas dos jornais locais. No entanto, Wuornos continuamente se envolvia em confrontos em um bar local e acabou sendo mandada para a prisão por assalto. Ela bateu também bateu em Fell com sua própria bengala, o levando a obter uma ordem judicial de restrição contra ela, depois que ela voltou para Michigan. Em 14 de julho de 1976, Wuornos foi presa no condado de Antrim, Michigan e acusada de agressão e perturbação da paz após um incidente em que ela atirou uma bola de bilhar na cabeça de um barman. Em 17 de julho, seu irmão Keith morreu de câncer na garganta e Wuornos adquiriu 10.000 dólares de seu seguro de vida. Wuornos e Fell se divorciaram em 21 de julho, após nove semanas de casamento. Em 20 de maio de 1981, Wuornos foi presa em Edgewater, Flórida por assalto à mão armada em uma loja de conveniência. Ela foi então condenada a prisão em 4 de maio de 1982 e solta em 30 de junho de 1983. Em 1 de maio de 1984, Wuornos foi presa por tentar passar cheques falsificados em um banco em Key West. Em 30 de novembro de 1985, ela foi apontada como suspeita do roubo de um revólver e munições no condado de Pasco. Em 4 de janeiro de 1986, Wuornos foi presa em Miami e acusada de roubo de automóveis, resistência à prisão e por falsa informações (ela se identificou com o nome de Lori Grody, sua tia). A polícia de Miami encontrou um revólver calibre 38 e uma caixa de munição no carro roubado. Em 2 de junho de 1986, autoridades do Condado de Volusia chamaram Wuormos para um interrogatório após seu cliente a acusar de puxar uma arma em seu carro e exigir U$ 200. Wuornos foi encontrada transportando muitas munições e uma pistola ,22 foi descoberto debaixo do banco do passageiro que ocupava. Nessa época, Wuornos conheceu Tyria Moore, uma empregada de hotel, em um bar gay de Daytona. Elas foram morar juntas e sobreviviam com os ganhos de Wuormos com a prostituição. Em 4 de julho de 1987, a polícia de Daytona Beach deteu Wuornos e Moore em um bar, para questionar sobre um incidente no qual elas foram acusadas de assalto e agressão com uma cerveja garrafa. Em 12 de março de 1988, Wuornos foi acusada de agressão por um motorista de ônibus em Daytona Beach. Ela alegou que ele a empurrou para descer do ônibus depois de um confronto. Moore foi chamada como testemunha do incidente. Em 30 de novembro de 1989, a primeira vítima de Wuormos foi Richard Mallory, de 51 anos. Ele era um proprietário de uma loja de eletrônicos em Clearwater, um ex-condenado por estupro a quem ela alega ter matado em legítima defesa. A policia do condado de Volusia encontrou o carro de Mallory em 1 de dezembro de 1989. O corpo de Mallory não foi encontrado até 13 de dezembro há vários quilômetros de distância em uma área florestal. Ele havia sido baleado várias vezes, mas duas balas no pulmão esquerdo foram acabaram causando sua morte. Charles "Dick" Humphreys, de 56 anos foi morte em 19 de maio de 1990. Humphreys era um Major aposentado da Força Aérea, um investigador de abusos contra crianças no estado da Flórida e ex-chefe de polícia. Seu corpo foi encontrado em 12 de setembro de 1990, no Condado de Marion. Ele estava completamente vestido e foi baleado seis vezes na cabeça e no peito. Seu carro foi encontrado em Suwannee County. David Spears, de 43 anos foi encontrado em 1 de junho de 1990, era um trabalhador da construção civil cujo corpo nu foi encontrado no Winter Garden, ao longo da State Road 19 no condado de Citrus. Ele havia sido baleado seis vezes. Charles Carskaddon, de 40 anos foi morto em 31 de maio de 1990. Carskaddon trabalhava em rodeios. Seu corpo foi encontrado em 6 de junho de 1990, no condado de Pasco. Ele havia sido baleado nove vezes, com uma arma de pequeno calibre. Peter Siems, de 65 anos saiu de Jupiter e viajava para Nova Jersey, em junho de 1990. Seu carro foi encontrado em Orange Springs, em 4 de julho de 1990. Tyria Moore e Aileen Wuornos foram identificados como sendo as pessoas que deixaram o carro onde ela foi encontrado. Uma palma de impressão pertencente a Wuornos foi encontrada no interior da alça da porta. Seu corpo nunca foi encontrado. Troy Burress, de 50 anos, foi morto em 30 de julho de 1990. Burress era um açougueiro de Ocala. Ele foi dado como desaparecido em 31 de julho de 1990, mas não foi encontrado até 4 de agosto de 1990 em uma área arborizada ao longo State Road 19 no condado de Marion. Ele tinha sido baleado duas vezes. O último foi Walter Jeno Antonio, de 62 anos 19 de novembro de 1990 perto de uma estrada remota em Dixie County. Ele havia sido baleado quatro vezes. His car was found in Brevard County five days later. O carro dele foi encontrado no Condado de Brevard, cinco dias depois. Wuornos e Moore abandonaram o carro de Peter Siems depois que elas se meteram em um acidente ocorrido em 4 de julho de 1990, após esse, uma impressão digital de Wuornos foi encontrada. Testemunhas que viram as mulheres dirigindo o carro das vítimas foram à polícia e deram seus nomes e descrições, resultando em uma campanha da mídia para localizá-las. A polícia também encontrou alguns pertences das vítimas em casas de penhores e impressões digitais que coincidiram com as encontradas nos carros das vítimas e no registro Wuornos na prisão foram encontradas. Em 9 de janeiro de 1991, Wuornos foi presa em um bar de motoqueiros no Condado de Volusia. A polícia localizou Moore no dia seguinte em Scranton, Pensilvânia. Ela concordou em fazer uma confissão de Wuornos em troca de imunidade do Ministério Público. Moore voltou com a polícia para a Flórida, onde ficou hospedada em um motel. Sob orientação da polícia, Moore fez inúmeras chamadas telefônicas para Wuornos, pedindo ajuda para limpar seu nome. Três dias depois, em 16 de janeiro de 1991, Wuornos confessou os assassinatos. Ela alegou que os homens assassinados tinham tentado estuprá-la e ela os matou em legítima defesa. Wuornos foi a julgamento pelo assassinato de Richard Mallory em 14 de janeiro de 1992. Atos ruins anteriores normalmente são inadmissíveis como provas criminais, mas segundo a “Regra de Williams” da Flórida, na acusação foi permitida introduzir evidência relacionada aos outros crimes dela para mostrar um padrão de atos ilegais. Wuornos foi condenado pelo assassinato de Richard Mallory em 27 de janeiro de 1992, com a ajuda do depoimento de Moore. Durante o julgamento, psiquiatras da defesa demonstraram que Wuornos era mentalmente instável e ela foi diagnosticada com transtorno de personalidade borderline. Ela foi condenada à morte em 31 de janeiro de 1992. Em 31 de março de 1992, Wuornos não demonstrou nenhum remorso pelos assassinatos de Dick Humphreys, Troy Burress e David Spears, dizendo que iria "ficar de bem com Deus." Em sua declaração ao tribunal, ela falou: "Eu queria confessar que Richard Mallory foi quem violentamente me estuprou como eu já disse. Mas esses outros não. Eles só me provocaram”. Em 15 de maio de 1992, Wuornos recebeu mais três sentenças de morte. Em junho de 1992, Wuornos se declarou culpada pelo assassinato de Charles Carskaddon e recebeu sua quinta sentença de morte. A defesa se esforçou durante o julgamento para apresentar provas de que Mallory havia sido julgado por intenção de cometer estupro em outro estado e que tinha passado por uma instituição correcional de segurança máxima em Maryland, só para agressores sexuais. Registros obtidos a partir dessa instituição apareciam nos anos de 1958 a 1962, Mallory passou por tratamento e uma condenação resultante de uma acusação criminal de assalto com a intenção de estupro, e recebeu um total de oito anos de tratamento da instalação. O juiz se recusou a permitir que isto fosse admitido no tribunal como prova e negou o pedido de Wuornos de um novo julgamento. Em fevereiro de 1993, Wuornos se declarou culpada pelo assassinato de Walter Jeno Antonio e foi condenada à morte novamente. Nenhuma acusação foi movida contra ela pelo assassinato de Peter Siems, como seu corpo nunca foi encontrado. Ao todo, ela recebeu seis condenações à morte. Wuornos contou várias histórias inconsistentes sobre os assassinatos. Ela alegou inicialmente que todos os sete homens haviam a estuprado enquanto ela estava trabalhando como prostituta, posteriormente, alegou legítima defesa. Durante uma entrevista com o cineasta Nick Broomfield em que ela pensou que as câmeras estavam desligadas, ela disse que era verdade a legítima defesa, mas ela não deveria estar sendo no corredor da morte, por onde já estava há 12 anos nessa altura, e queria morrer. O recurso de Wuornos para o Supremo Tribunal americano foi negado em 1996. Em 2001, ela anunciou que não iria emitir quaisquer novas apelações contra a sentença de morte. Ela pediu ao Supremo Tribunal Flórida o direito de demitir assessores jurídicos e todos os apelos, dizendo: "Eu matei aqueles homens, os roubei frio como gelo. E eu faria isso de novo, com certeza. Não há nenhuma chance de me manterem viva ou qualquer outra coisa, porque eu mataria novamente. eu odeio o sistema me rastreando... Estou tão cansada de ouvir essas coisas "ela é louca”... Já fui avaliada tantas vezes, eu sou competente, sensata, e eu estou tentando dizer à verdade. Eu sou aquela que odeia a vida humana e mataria de novo”. Um advogado de defesa alegou que ela não estava em condições de fazer esse pedido. O governador da Flórida Jeb Bush encarregou três psiquiatras a Wuornos para ela dar uma entrevista de 15 minutos. O teste de competência exigia que os psiquiatras ficassem convencidos de que a pessoa condenada entendia porque vai morrer e por qual crime que está sendo executada. Todos os três julgaram ela mentalmente apta e devia ser executada. Wuornos depois começou a acusar os servidores da prisão de abusar dela. Ela os acusou de estragar sua comida, cuspir sobre ela, servir batatas cozidas sujas e seu alimento chegava a ter até urina. Ela também alegou ter ouvido conversas sobre "a forçariam a cometer suicídio antes da execução" e "iriam a estuprar antes da execução". Ela também reclamou das algemas, dizendo que estava sendo algemada com tanta força que seus pulsos ficavam machucados sempre, ela deixava sua cela, sendo chutada pelas policiais, cortavam a água na hora do seu banho, rasgavam seu colchão e demonstravam desgosto e puro ódio contra ela. "Acabei então, com meu estômago roncando longe e eu tomando banho no esgoto de minha cela”, disse Wuormos. Seu advogado afirmou que "a Senhora Wuornos realmente só quer ter o tratamento adequado, um tratamento humano até o dia em que ela for executada," e "Se as acusações não têm nenhuma verdade para eles, ela é claramente doente, então acreditem no que está escrito". Durante as fases finais do processo de recurso, ela deu uma série de entrevistas para Broomfield. Em sua entrevista final pouco antes de sua execução, ela alegou que sua mente estava sendo controlado por "pressão sonora" para fazê-la parecer louca e descreveu sua morte iminente como ser levada po anjos em um navio do espaço. Quando Broomfield tentou obter dela comentários sobre seus depoimentos anteriores de ter matado suas vítimas em legítima defesa, Wuornos ficou irritada, amaldiçoou Broomfield e encerrou a entrevista. Ela começou seu ataque em Broomfield, dizendo: "Vocês sabotaram minha bunda, com a sociedade, os policiais e o sistema. Uma mulher estuprada sendo executada e isso sendo usado para livros e filmes e merda." Suas últimas palavras na câmera foram "Muito obrigado, a sociedade, por escavar meu rabo". Broomfield mais tarde conheceu Dawn Botkins, um amigo de infância de Wuornos, que lhe disse: "Ela pede desculpa, Nick. Ela não sabia o que falar. A mídia queria ouvir ela, e em seguida, os advogados também. E ela sabia que se dissesse muito mais, poderia fazer a diferença na sua execução, amanhã, de modo que ela simplesmente decidiu não o fazer’. Wuornos foi executada por injeção letal em 9 de outubro de 2002. Ela era a décima mulher nos Estados Unidos a ser executado uma vez que a Suprema Corte suspendeu a proibição da pena capital em 1976, e foi a segunda mulher executada na Flórida. Ela recusou sua última refeição e ao invés disso foi dado uma xícara de café a ela. Sua declaração final antes da execução foi : "Sim, eu gostaria apenas de dizer que estou navegando com o rock, e eu estarei de volta, como o Dia da Independência com Jesus, em 6 de junho como no filme, grande nave mãe e todos, eu voltarei, eu voltarei”. Após sua execução, Wuornos foi cremada. Suas cinzas foram levadas por Dawn Botkins ao Michigan e espalhadas em baixo de uma árvore. Ela pediu que a música Carnival de Natalie Merchant fosse tocada em seu funeral. Natalie Merchant comentou sobre isso quando foi perguntado porque sua música foi tocada durante os créditos do documentário Aileen: Life and Death of a Serial Killer(2003): “Quando o diretor Nick Broomfield enviou o trabalho para editar o filme, eu estava tão perturbada pelo assunto que eu não podia nem ver isso. Aileen Wuornos levou uma vida, de torturas que está além do meu pior pesadelo. Me foi dito que Aileen passou muitas horas a ouvir o meu álbum Tigerlily enquanto estava no corredor da morte e pediu para "Carnival" ser tocado em seu funeral. É muito estranho pensar nos lugares que minha música pode ir, uma vez que deixa minhas mãos. Se isso deu a ela algum consolo, eu tenho que ser grata”. Broomfield mais tarde declarou: “Acho que essa raiva desenvolvida dentro dela. E ela estava trabalhando como prostituta. Eu acho que ela tinha uma série de encontros terríveis nas estradas. E eu acho que essa raiva só vinha derramando de dentro dela. E, finalmente explodiu. Em violência incrível. Essa foi sua maneira de sobreviver... Acho que Aileen realmente acreditava que ela havia matado em legítima defesa. Acho que alguém que está profundamente psicótica não pode realmente dizer a diferença entre algo que é uma ameaça à vida e algo que é uma divergência menor. Quando você dizia algo que ela não concordava, ela entrava em um sério temperamento e gritava coisas horríveis . E, ao mesmo tempo, quando ela não estava nos humores extremos, havia uma humanidade incrível nela.” Além do já citado documentário, Nick Broomfield já havia feito o documentário Aileen Wuornos: The Selling of a Serial Killer, em 1994.

Nenhum comentário:

Postar um comentário