sábado, 15 de fevereiro de 2014

DIMENSÕES / Silvia Mendonça.

No rasgo do teto empurro a noite insone
Olhos estiletados no lustre assimétrico

Ouço absurdos que não se materializam
No fundo abissal do túnel não há luz ou trem
Há o apocalipse sustentando minha carne

Flor muda enrosca-se em arame farpado
Haste definindo um eixo geométrico
No ápice do mourão de pedra polida
A curva acentua-se na cordoalha de aço
Fluxo moldado em rotação invertida
Feltro impregnado de metálica resina.



Nenhum comentário:

Postar um comentário