quarta-feira, 23 de maio de 2012

Mitos e realidades do abuso sexual infantil / Alejandro Urman, Fabián Barmak


É um crime minimizado. Muitas vezes é preferível não falar do assunto ou fazer uma piada. Acredita-se ser algo que só acontece nas classes mais baixas, ou, na sua maioria, os abusadores são desconhecidos. Este texto tenta desmascarar esses mitos e propõe algumas medidas para resolver a questão com a seriedade que ela merece.
De um lado do balcão, Michael Jackson, o DJ Marlboro o Médico Roger Abdelmassih
Personagens reconhecidos são os que estão ou estiveram envolvidos acusados ou condenados por abuso sexual infantil.
Por outro lado, Virginia Woolf, Britney Spears, Joanna Maranhão ect. Famosos que sofreram algum tipo de abuso quando eram crianças.
Através de notícias de entretenimento ou de polícia aparece esta questão complicada, resultando em confusão e choque, na maioria de nós. Desde o início dos anos 70 em diante, foi ganhando popularidade. Mas por ser um assunto complicado, nem sempre a informação que circula é de boa qualidade. Quantas vezes usam esses nomes famosos que fazem piadas com o crime que cometeram, ou foram vítimas? É que muitas vezes se banaliza a questão ou são fans dele, ignorando os aspectos que devem ser inesquecíveis.

Um caso que representa milhares

A Malena, há três anos está morando em um lar de crianças. Foi separada da mãe e do pai em caso de suspeita de abuso sexual está envolvido o pai da criança. Ficamos surpresos ao saber que a Malena, apesar dos seus 9 anos de idade, estava muito efusiva com os homens que cuidavam dela, os abraçava e os beijava. Esfregava também as pernas nos adultos. Falava que os seus genitais tinham um gosto muito gostoso e pediu para que lhe fizeram carinho em suas partes privadas.
A Malena faz xixi nas roupas mais de quatro vezes por semana não passou de série na escola duas vezes. Ela tem dificuldade em estabelecer novas relações. Possui comportamentos cleptomanos , rouba coisas, embora não necessitar delas, e logo as perde, ou as presenteia. Quando a Malena conta o que acontece é desafectivizada, parece que o que aconteceu foi a outra pessoa ou algo que ela assistiu num filme. Normalmente fala que as pessoas não gostam dela. Na escuridão da noite, algumas vezes, sente que há um homem que se esconde e aque a está olhando. Quem conhece a Malena, não pode deixar de sentir uma grande pena por ela e uma grande raiva pelo pai que a molestou.

Definições do indefinível

Como referência, em primeiro lugar, nós tomamos a definição dada na Real Academia Espanhola sobre o abuso sexual. "Crime consistente na realização de atos que interferem com a liberdade sexual de uma pessoa sem violência ou intimidação e sem consentimento".
Esta definição é um pouco complicada, porque no caso das crianças, muitas vezes existe uma intimação na forma de ameaças. Além disso, enquanto o adulto é posicionado em um lugar assimétrico, também existe intimidação.
Muitos autores explicam que o abuso sexual infantil não implica uma relação sexual, seja concordada ou não. Na maioria dos casos envolvem avanços sexuais que acontecem de forma repetida e intencionalmente. Não é necessário que o abusador utilize a força física, o abuso é geralmente baseado em uma relação de poder que se exerce sobre a vítima.

Tome cuidado com estranhos ou tome cuidado com conhecidos?

Vemos nas clínicas, o que é muito comum que os pais demonstrem uma certa desconfiança por deixar seus filhos nas consultas que eles próprios pedem. Parece se espalhou na sociedade o medo de abuso por parte de profissionais de certos casos que aconteceram recentemente.
No entanto, pesquisas realizadas na Argentina e no exterior mostram que a maioria dos abusos ocorre dentro das famílias, ou seja, dentro da mesma família. O mais comum é o pai-filha. As estatísticas ainda apresentam os casos da família tios, primos e conhecidos vizinhos, professores, etc. No final da lista estão os estranhos, ao contrário do que muitas pessoas acham.

"Uma bala na psique"

O abuso é considerado o pior maltrato infantil. São as conseqüências mais graves, especialmente quando o agressor é um familiar, ainda pior, se é uma figura de pai.
Ireve Intebi - médico especialista em pedofilia e abuso de crianças considerada este crime como um "tiro no psiquismo" de uma criança. Leonard Shengold Outro autor descreve-o como o assassinato da alma
Na medida que uma criança cresce, o seu aparelho psíquico desenvolve e treina para compreender certos temas. Lidar com situações para as quais não estão prontos pode ser traumático.
Um mecanismo comum utilizado por uma pessoa que está passando por uma situação traumática é separar os fatos dos sentimentos que estes eventos geram. Isso garante a proteção contra situações muito dolorosas.
Mas este mecanismo pode levar a sérias rupturas na personalidade. Uma conseqüência disto pode ser distúrbios de personalidade associada a um possível esgotamento do potencial. As crianças abusadas podem mostrar um pobre desempenho escolar, enurese, encoprese, depressão, dificuldade de conviver com os outros, mudanças de humor, repetitivo choro, tristeza, hiperatividade. Na vida adulta podem ter problemas na sexualidade: a partir de frigidez à promiscuidade, o aumento da probabilidade de serem viciados em álcool e drogas, mais probabilidade de sofrer um transtorno mental, entre outros.

Será que acontece nas melhores famílias?

Muitos acreditam que este tipo de crime só acontece nas famílias de classe baixa. É certo que em maior quantidade, tem sido detectado abuso de famílias de baixa condição socioeconômica. Mas o fato de que é detectado menos nos lares de classe média ou alta não significa que não ocorre. Na análise não se deve perder de vista o fato de que a detecção de abusos sexuais é mais comum em um setor da população com recursos limitados, deve-se, em grande medida ao grau de exposição que tem às intervenções da comunidade.
Refira-se que o abuso sexual acontece em famílias com graves disfunções relacionais . Essas disfunções são transmitidas de uma geração para outra. Isso pode ser interrompido após a inclusão de profissionais treinados em tratar esses vínculos.

O que acontece quando uma criança diz que foi uma possível vítima de abuso?

É difícil ouvir uma criança que está passando por situações de abuso sexual. Em muitos casos, acha-se que ela está fantasiando ou que existem mal entendidos. Sabemos também que elas podem mentir quando crianças e que podem ser influenciados por seus pais para contar histórias de coisas que não aconteceram.
Sem dúvida, saber que uma criança foi vítima de abuso é uma situação que nunca planejamos viver. Mas não se deve virar a cabeza ou não perceber o que está acontecendo. É importante saber que o que façamos vai ter uma conseqüência importante na vida dessa pequena pessoa.
Sempre se deve prestar atenção diante de uma suspeita. . Em Buenos Aires, temos o sistema Defensorias de Crianças, onde se deve fazer a denúncia. Também as Delegacias podem recebê-las. E é importante consultar com médicos e psicólogos, especialistas neste assunto
O abuso de crianças é algo que acontece mais frequentemente do que se pensa em todas as classes sociais. Tem grandes custos psíquicos para crianças / jovens abusados.
É uma questão muito difícil e a nós como adultos torna-se complicado entender e gerenciar. Mas devemos ser cuidadosos, pois não podemos prevenir, mas pelo menos podemos cooperar com outros profissionais para esclarecer estes crimes.
As Crianças por seu crescimento anatômico e físico, nunca deveriam ser pensadas em termos sexuais como adultos. O abuso sexual deixa marcas indeléveis na vitima e é necessário abordar esta questão com a seriedade que merece, sem tomá-lo como uma piada. Mesmo quando os personagens envolvidos apareçam na tela da televisão.





Nenhum comentário:

Postar um comentário