quarta-feira, 24 de março de 2010

Allan – O menino de ouro


Allan era sempre sorrisos. Sincero, cativante, simpático, tinha um astral maravilhoso. Trabalhava e estudava. Era amigo dos pais e, principalmente, da irmãzinha mais nova. Era amigo de todos! Era nosso amigo, apesar da diferença de idade. Era amigo dos nossos filhos. Ele era assim, menino de ouro. Com suas qualidades, com seus defeitos, era simplesmente o Allan.

No dia 22 de março, esse sorriso foi apagado. Digo que foi apagado, porque não foi ele que parou de sorrir. Fizeram isso... Juntamente com a negligencia médica, o Allan se foi. Mas o sorriso somente se apagou no seu corpo físico, porque ele continua irradiando dentro das nossas lembranças e dos nossos corações.

Com o tempo, a dor da perda vai diminuindo e a saudade diluindo. Mas o que vai ficar, para sempre nas nossas lembranças é esse sorriso sincero, expansivo, honesto. Obrigada, Allan, por compartilhar conosco a sua alegria. Obrigada, mesmo que por um momento curto, ter feito parte das nossas vidas. Quanta honra nossa!!! Que Deus te proteja e que você esteja em paz.

Todos os dias ouvimos falar da violência, que está sempre presente e sob qualquer forma, no nosso dia a dia. Já ficou uma coisa banal. Somente quando ela acontece no nosso círculo de amigos ou familiar, é que damos conta de como é dolorosa. Não se sabe direito o que aconteceu com o Allan. Isso ele levou consigo mesmo. Só se sabe que alguém bateu na traseira da sua moto violentamente e, com certeza, de propósito. O Allan voou e se chocou contra um muro. Ele literalmente voou, pois não teve escoriações pelo corpo quando alguém cai. Após, ele deve ter sido virado, pois roubaram o seu celular e sua carteira. Acredita-se, que ao mexerem no corpo, provocaram mais lesões gravíssimas. Levado ao hospital público, já que estava sem documentos e é esse o procedimento do resgate, foi negligenciado e a família não foi avisada que ele estava com traumatismo craniano encefálico. Ficou oito dias num leito, sem explicações algumas. Foi preciso a intervenção do meu médico, ex-aluno e grande amigo para dar a triste notícia da gravidade da situação. A essas alturas, ele já estava com febre, por tanto, com infecção. Um dia e meio após o diagnóstico correto, ele faleceu. Fica registrada a nossa dor e a nossa indignação com o descaso por uma vida humana. Allan estava com 20 anos e tinha muita vida pela frente. Amava e era amado. Apesar desse blog ser voltado para a violência sexual, não poderia de deixar de contar aos amigos sobre outros tipos de violência. Ela acontece todos os dias e, sinceramente, não tenho muitas esperanças que a situação melhore. Então resolvi compartilhar a minha dor. Dor de tantas pessoas, milhões que passam por isso no mundo inteiro. E só me resta dizer: que Deus proteja a todos nós.

Nenhum comentário:

Postar um comentário