segunda-feira, 19 de abril de 2010

O Nível de Violência nas Escolas

Sou voluntária em uma escola estadual no meu bairro. Trabalho na parte da tarde, que engloba alunos adolescentes, de 11 a 17 anos. Nunca me senti tão acuada como ali, levando em conta que faço trabalho voluntário desde os 15 anos (estou completando 43). No início, fui recebida com desdém e muita, muita agressividade, Foi difícil convencer os alunos que eu estava ali para ajudar, para ser amiga. Isso foi devido a greve dos professores. Precisei substituir alguns, dando aulas, palestras ou atividades paralelas. Com horror, constatei que o professor era visto com desdém pelos mesmos. Pudera! Os professores (a maioria) não dão importância aos alunos e nem à matéria. Chegam atrasados, faltam ou ficam conversando entre si em vez de entrarem na sala de aula. São recebidos com desprezo e falta total de respeito.
Além das aulas, comecei a dar palestras sobre respeito, cidadania, educação e buling. Também trabalho muito com produção de textos, através de várias atividades e pequenas encenações de peças. Nessas encenações eles precisam escrever um pequeno roteiro e passo a responsabilidade para os líderes dos grupos. Trabalho muito com o desenvolvimento da linguagem, já que a maioria dos alunos é semi analfabeta e não tem o hábito de leitura.
Consegui com isso conquistar alguns, mas a grande maioria me olha ainda com desconfiança. Semana retrasada saí praticamente chorando de uma classe, por causa da agressividade verbal, que por pouco não chegou à física. Agora, temos que trabalhar em dupla, para a nossa segurança.
Semana passada aconteceram vários fatos de violência e agressividade, ao ponto da polícia ter sido chamada por duas vezes e os alunos mandados para a delegacia e, logo após, ao Conselho Tutelar. Numa dessas brigas, um aluno acertou a cabeça da colega com uma cadeira. Por pouco não virou um caso de morte. Infelizmente, quem começou a briga com agressões foi a própria vítima.
Fica a pergunta: o que podemos fazer por esses adolescentes? Como ajudar? Já tenho 20% ao meu lado, faltam 80%.
Estou criando um e-mail, orkut e uma comunidade para eles. Espero, através da internet, conseguir ajudá-los com temas variados. Tenho também os incentivado para formarem vários grupos de assuntos afins e concursos. Como estou voltando para São Paulo, essa é uma maneira de não "abandoná-los".
Gostaria de pedir ajuda, conselhos, idéias a quem ler esse texto. Através dos comentários ou e-mail, toda colaboração será bem vinda. Os adolescentes de hoje são os adultos de amanhã. Acredito que trabalhando, orientando, é um modo de diminuir tanta violência e agressividade. Eles não são maus, apenas incompreendidos, largados e sem atenção que todo ser humano merece.

3 comentários:

  1. Sou um servidor público,atuante de uma outra área.Mas,pelo que percebo,pelo que leio e tenho acompanhado,há um excesso de liberdade atualmente nos centros de ensino,em todo o país.Sem querer ser quadrado ou desatualizado:a maldita televisão,com suas novelinhas das 7(principalmente),pregando rebeldias e as vezes fazendo apologia-nítida a "anarquia".Aquela famosa apregoação: que os jovens têm de ser compreendidos. "Péra lá": quem trás a tábua da lei nas mãos,são os pais.Pra não esticar muito meus argumentos.Se aplicarmos o rigor das normas escolares,a seriedade,a proposta,a meta(universidade);que do muro escolar para dentro,o mundo é outro.Ah! me recordo que no mês passado a TV Globo,fazia propaganda de namoricos de jovens dentro dos muros escolares.Falta seriedade. Os jovens têm de compreender os adultos cheios de experiência e técnicas de ensino.Temos de sair da submissão.

    ResponderExcluir
  2. Escritores da Liberdade, pode ser um tema. Conhece? Poderiam escrever cada qual seu diario e seria publicado em blog

    Creio que a ideia da Comunidade é boa e sugiro a criação de blog, poderiam os alunos particiaparem com perfis variados e poderiam tratar de vários temas, alem de serem publicadas redações e temas da atualidade com as sugestões dos próprios.

    O Tema : Voce conhece? Poderia abrir campo para que eles próprios pesquisem figuras da nossa historia ou da atualidade com as quais se identifiquem abrindo assim um campo de pesquisa e de conhecimento para outros.

    Poderiam criar videos, sempre propondo soluções e não só criticas.

    ResponderExcluir
  3. Conhece o site Ética na Tv?
    http://www.eticanatv.org.br/

    pois é, pois é, podemos nos manifestar sobre a programação inclusive diretamente com as emissoras, todas tem Fale conosco. Reunam pessoas e entrem em ação, comentem, critiquem, certamente com nossa mobilização a programação será aprimorada com menos cenas de violência, de sexo, de exposição desnecessárias de situações que possam incentivar nossos jovens.

    ResponderExcluir