quarta-feira, 7 de abril de 2010

Elegia

Elegia de Ricardo Neftalí Reyes Bosoalto (PABLO NERUDA)

Talvez não nos despertam
e seguimos
dormindo na hora dormida,
e rechaçamos
o que continua,
a planta irrevogável
que persiste, que cresce.
Bem, é verdade, e o que acontece?

Por que aceitar o que não substitui
a água pura, o vinho do vinhedo,
o pão profundo que era o nosso pão, as presenças insignes ou impuras
que éramos nós mesmos e não estão,
e não porque estão mortas,
mas sim porque não estão, e não há remédio.

Nenhum comentário:

Postar um comentário